Em pandemia, portugueses compraram mais bens alimentares. Congelados tiveram maior crescimento

O Barómetro de Vendas relativo a 2020, desenvolvido pela Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), as vendas no retalho alimentar registaram um aumento de 8,1% face ao ano anterior.

No ano em que a pandemia chegou a Portugal, as vendas de bens alimentares tiveram um aumento significativo face a 2019. Os dados do Barómetro de Vendas 2020, divulgados esta terça-feira pela Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), mostram que os congelados foram, entre os bens alimentares, a categoria com o maior crescimento.

Os dados apresentados mostram que, em 2020, as vendas no retalho alimentar registaram um aumento de 8,1% face ao ano anterior. Se em 2019 o volume de vendas neste setor tinha sido de 14.451 milhões de euros, em 2020 esse valor cresceu para os 15.621 milhões de euros.

Entre as diferentes categorias de produto, foi na gama dos congelados que se registou um crescimento mais acentuado, na ordem dos 17,6%. Outras categorias de produto tiveram, também, aumentos significativos, como é o caso do bazar ligeiro (16,6%), dos produtos de mercearia (11,6%), dos alimentos perecíveis (11,5%) e das bebidas (10,9%).

Para explicar estas tendências, o diretor-geral da APED, Gonçalo Lobo Xavier, refere que os “hábitos de consumo” se viram alterados por causa dos “longos períodos de confinamento” a que os portugueses estiveram sujeitos, marcados pelo “teletrabalho” e pela permanência “em casa”. Isso fez com que, acrescenta, houvesse uma maior procura de bens alimentares.

Os dados da APED mostram ainda que os portugueses optaram por aderir mais à compra de produtos alimentares das marcas de distribuição — ou seja, os chamados “produtos de marca branca”. Estes tiveram um aumento de 1,4 pontos percentuais face a 2019, dizendo respeito a 35,1% das vendas, ao passo que os “produtos de marca” tiveram uma descida da mesma ordem (-1,4 pontos percentuais).

No que toca aos canais de vendas dos produtos alimentares, foram os hard discounters — ou seja, lojas que apostam na venda de bens alimentícios a baixos preços – que tiveram um maior crescimento (+0,6 pontos percentuais. As vendas nos hipermercados também subiram em 2020 (+0,2 pontos percentuais), ao contrário do que aconteceu nos supermercados (-1,4 pontos percentuais).

Refira-se ainda que, no âmbito do comércio a retalho alimentar, o recurso a plataformas de venda online (e-Commerce) cresceu face a 2019. No ano passado, 3% do total das vendas deste segmento foram feitas por este via – o que indica um aumento de 0,8 pontos percentuais face ao ano anterior.

Finalmente, considerando a globalidade das vendas no retalho alimentar e especializado, a APED mostra ainda que houve em 2020 uma redução de 1,5% face ao ano de 2019 (de 22.996 milhões de euros para 22.653 milhões de euros).

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Em pandemia, portugueses compraram mais bens alimentares. Congelados tiveram maior crescimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião