PwC dá tardes de sexta-feira durante o verão aos colaboradores

A consultora vai implementar um regime híbrido, que permitirá aos colaboradores escolher se trabalham a partir de casa ou do escritório, e terá um dia de horário reduzido durante os meses de verão.

A PricewaterhouseCoopers (PwC) já anunciou aos trabalhadores do Reino Unido o modelo de trabalho que seguirá nos próximos tempos. Será um regime híbrido, que permitirá aos colaboradores escolher se trabalham a partir de casa ou do escritório, e terá um dia de horário reduzido, pelo menos durante os meses de verão.

De acordo com a Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês), a consultora dará aos colaboradores do escritório do Reino Unido as tardes de sexta-feira durante os meses de julho e agosto, e espera que a maior parte dos seus 22 mil funcionários aproveite para descansar depois de uma semana de trabalho.

Além desta iniciativa, que visa aumentar o bem-estar dos colaboradores, a PwC decidiu implementar um modelo de trabalho híbrido, permitindo aos funcionários decidir se querem estar em teletrabalho ou voltar ao escritório. A empresa espera, no entanto, que as equipas passem entre 40% e 60% do tempo com os colegas, quer nos escritórios, quer nas instalações dos clientes.

O anúncio surge num momento em que as empresas discutem e preparam aquilo que serão os seus novos modelos e dinâmicas de trabalho, que tiveram de mudar abruptamente com a pandemia mundial e que, em muitos casos, vão permanecer. “Queremos ajudar a consagrar novos padrões de trabalho”, afirma Kevin Ellis, presidente e sócio principal da PwC. “Sem planeamento consciente existe agora o risco de perdermos o melhor destas novas formas de trabalho quando a economia voltar a abrir”, acrescenta.

Empresas adaptam-se às novas formas de trabalho

Tal como a PwC, outras empresas no setor financeiro estão a experimentar novos modelos para acompanhar o ritmo da transformação digital e as novas necessidades e desejos dos seus colaboradores. Empresas como o Bank Deutsche AG e a Standard Life Aberdeen Plc estão a apostar pela flexibilidade, dando aos seus colaboradores o poder de decisão sobre o local a partir do qual querem trabalhar e promovendo mesmo que passem mais tempo em teletrabalho.

Já no setor dos seguros, a Liberty anunciou no mês passado que o modelo de trabalho remoto passaria a ser definitivo, permitindo, assim, aos colaboradores de Portugal, Espanha, Irlanda e Irlanda do Norte trabalharem de qualquer lugar.

A empresa dará aos colaboradores a opção de passar até dois dias por semana no escritório, assim que a pandemia passar, para realizar atividades específicas ou reuniões presenciais. Adotando a digital way, a companhia vai melhorar também as condições laborais dos colaboradores, oferecendo-lhes adicionalmente 660 euros brutos por ano para cobrir despesas.

No entanto, nem todas as empresas são fãs deste tipo de políticas mais flexíveis. Recentemente, David Solomon, presidente executivo do Goldman Sachs, chamou ao trabalho remoto “uma aberração” que quer ver “corrigida” o mais rapidamente possível.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

PwC dá tardes de sexta-feira durante o verão aos colaboradores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião