Departamento de risco “não tem de impor travões” mas reportar, diz ex-diretor do BES

  • Lusa
  • 6 Abril 2021

Ex-diretor de risco Carlos Calvário disse que era a sua função, "efetivamente, reportá-los, indicá-los", e afirmou que "certamente" terá "expressado, provavelmente, nalgum sítio" as suas preocupações.

O antigo diretor de risco do Banco Espírito Santo (BES) Carlos Calvário disse no parlamento que esse departamento “não tem que impor travões” ao crédito, mas sim reportá-los à administração.

“O diretor do departamento de risco global não tem que impor travões”, mas sim “que os reportar, que os indicar, mas não tem direito de veto”, respondeu ao deputado Miguel Matos (PS) durante a sua audição na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução.

Carlos Calvário disse que era a sua função, “efetivamente, reportá-los, indicá-los”, acrescentando que “certamente” terá “expressado, provavelmente, nalgum sítio” as suas preocupações.

“O departamento de risco global podia e devia emitir ratings e pareceres sobre as operações que lhe eram colocadas, e sobre essas emitia a sua opinião sem ser alguma vez pressionado ou limitado nas suas funções”, disse.

No entanto, “a decisão de concessão de créditos pertencia ao comité financeiro e de crédito, à comissão executiva e ao conselho de administração“, disse.

O antigo responsável do BES adiantou ainda “havia um comité de riscos mensal em que todas essas questões eram analisadas”, em sessões “muito abertas” com “30 ou 40 pessoas presentes”.

Questionado pelo deputado socialista se alguma vez comunicou aos seus superiores José Maria Ricciardi ou Ricardo Salgado o “excesso de riscos ou atribuições de crédito ‘à Lagardère'”, Carlos Calvário remeteu para os registos oficiais.

“Se constavam dos mapas dos grandes riscos, se eram reportados pelo Banco de Portugal, se eram analisados no comité de risco, se todas as operações a partir de certo montante ou com ausência de rating eram aprovadas em conselho financeiro de crédito com a presença da administração ou ratificadas em comissão executiva”, com todos os membros, mensalmente, “eu creio que a resposta estará dada”, referiu Carlos Calvário, afirmando a comunicação dos riscos.

Anteriormente, o deputado João Cotrim Figueiredo (IL) já tinha questionado se tinha sido evidente que havia “ativos que não estavam contabilizados” na relação do banco com a Espírito Santo International (ESI).

“Surgiu eventualmente a possibilidade que para além da dívida efetivamente não reconhecida, que pudesse haver outros ativos não reconhecidos”, admitiu, tendo tido conhecimento disso e comunicado a discrepância na identificação de dívida à sua administração, bem como ao Banco de Portugal e aos auditores PwC e KPMG.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Departamento de risco “não tem de impor travões” mas reportar, diz ex-diretor do BES

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião