“Sofagate”. O incidente diplomático entre a UE e a Turquia que levantou críticas de sexismo

Na visita dos presidentes da Comissão Europeia e do Conselho Europeu à Turquia, Ursula von der Leyen foi confrontada com a ausência de um lugar ao lado dos pares.

Um incidente diplomático, que está já a ser apelidado de “sofagate“, está a fazer manchetes internacionais. Em causa está a visita da presidente da Comissão Europeia e do presidente do Conselho Europeu ao líder turco Recep Erdogan, na qual apenas existiam duas cadeiras, onde se sentaram os homens. A única mulher, Ursula von der Leyen, viu-se forçada a sentar-se no sofá, o que, numa altura em que ainda se discute a igualdade de género na sociedade, levantou críticas e acusações de sexismo.

Foi divulgado um vídeo do momento, onde se pode ver que a líder do Executivo comunitário parece ficar confusa sobre onde se deve sentar, enquanto se ouve uma interjeição de surpresa. Von der Leyen acabou por se sentar num sofá próximo, em frente ao ministro dos Negócios Estrangeiros turco Mevlut Cavusoglu, que ocupa uma posição inferior no protocolo diplomático.

O evento motivou críticas de várias figuras, nomeadamente de membros do Parlamento Europeu, com o eurodeputado espanhol Iratxe Garcia Perez a dizer que era “vergonhoso” para a Turquia. “Primeiro retiraram-se da Convenção de Istambul e agora deixam o presidente da Comissão Europeia sem lugar numa visita oficial. Vergonhoso”, escreveu Garcia Perez, no Twitter.

Esta situação ocorreu num momento delicado entre a União Europeia (UE) e a Turquia, que procuram reparar as relações, depois de várias tensões no ano passado. Para além disso, é também uma altura em que a Turquia enfrenta críticas, nomeadamente da UE, por ter saído da Convenção de Istambul, um tratado internacional para prevenir a violência de género.

Noutras reuniões anteriores, os três presidentes tinham-se sentado todos juntos. A Comissão Europeia já se pronunciou sobre o incidente, através do porta-voz Eric Mamer, que apontou que von der Leyen “estava claramente surpresa e isso é algo que se pode ver no vídeo”, em declarações citadas pela CNN(acesso livre, conteúdo em inglês). “É difícil julgar as razões pelas quais lhe foi oferecido um tipo de lugar em vez de outro, é algo que teria de perguntar às autoridades turcas”, indicou Eric Mamer.

O porta-voz acrescentou ainda que, no que diz respeito à visão da Comissão no estrangeiro, o que pode dizer é que “o nível de protocolo da presidente é exatamente igual ao do presidente do Conselho Europeu. A presidente é membro do Conselho Europeu por direito próprio e geralmente, quando vai para países estrangeiros, é tratada exatamente da mesma forma que o presidente do Conselho Europeu.”
Surgiram também reparos à atuação de Charles Michel, líder do Conselho Europeu, pela aparente falta de reação perante o incidente. A eurodeputada holandesa Sophie in ‘t Veld questionou, no Twitter, porque Michel estava “em silêncio” enquanto a colega ficou sem assento.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“Sofagate”. O incidente diplomático entre a UE e a Turquia que levantou críticas de sexismo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião