Acusação a Bava e Granadeiro na Operação Marquês “cai” por não terem estatuto de gestor público

  • Lusa
  • 9 Abril 2021

Henrique Granadeiro e Zeinal Bava foram ilibados de todos os crimes de que estavam acusados, porque não lhes pode ser aplicado estatuto de gestor público, segundo a decisão instrutória.

O ex-presidente da PT Henrique Granadeiro e o ex-presidente executivo da empresa Zeinal Bava foram ilibados de todos os crimes de que estavam acusados, porque não lhes pode ser aplicado estatuto de gestor público, segundo a decisão instrutória.

De acordo com o relatório da decisão instrutória do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), relativamente ao processo “Operação Marquês”, Bava e Granadeiro “não foram eleitos para o Conselho de Administração da PT SGPS como administradores designados ou propostos pelo Estado”, mas sim eleitos por indigitação dos maiores acionistas privados.

Deste modo, “nem em 2006 e nem posteriormente, os arguidos em causa poderiam ser qualificados como titulares de cargo público, por não terem sido designados pelo Estado, nomeadamente pelo Governo, para dirigirem uma entidade pública”.

A decisão lida esta sexta-feira no Campus da Justiça, em Lisboa, iliba Henrique Granadeiro de oito crimes: corrupção passiva (um), branqueamento de capitais (dois), peculato (um), abuso de confiança (um) e fraude fiscal qualificada (três).

Zeinal Bava foi ilibado de cinco crimes: corrupção passiva (um), branqueamento de capitais (um), falsificação de documento (um) e fraude fiscal qualificada (dois).

Tendo em conta o facto de a partir de dezembro de 2000 a Portugal Telecom S.A. ter deixado de ser uma empresa participada com capitais públicos do Estado e tendo deixado de possuir titulares de órgãos de gestão ou de administração designados pelo Estado, aos arguidos em causa não poderá ser aplicado o estatuto do gestor público”, lê-se no documento.

O TCIC entendeu, assim, que o Estado não exercia “influência dominante” na PT SGPS, à qual estão ligados os alegados crimes, uma vez que não detinha maioria do capital ou dos direitos de voto, ou do direito de designar ou destituir a maioria dos membros dos órgãos de administração ou fiscalização.

“Inexistindo qualquer forma de influência pública dominante sobre a PT e não tendo esta a natureza de uma empresa participada é forçoso concluir que a partir de dezembro de 2000 a PT está de fora do âmbito subjetivo de aplicação do regime jurídico do setor empresarial do Estado”, refere o relatório.

Henrique Granadeiro e Zeinal Bava eram acusados pelo Ministério Público de terem sido alegadamente corrompidos entre 2006 e 2011 por Ricardo Salgado para beneficiar o Grupo Espírito Santo (GES) nos seus interesses, nomeadamente na derrota da oferta pública de aquisição da Sonae sobre a Portugal Telecom.

Segundo o documento conhecido esta sexta-feira, o Ministério Público defendia a existência de uma relação de domínio e de grupo da PT SGPS à PT Comunicações, S.A., sendo a PT SGPS quem tomava todas as decisões relativamente ao contrato de concessão, apesar de ser a PT Comunicações S.A. que detinha a concessão de serviço público, bem como dava indicações vinculativas à PT Comunicações, S.A.

O relatório refere ainda que, apesar de Ricardo Salgado não ter requerido abertura de instrução, “a circunstância de ter sido requerida apenas por um dos arguidos não prejudica o dever de o juiz retirar da instrução as consequências legalmente impostas a todos os arguidos”.

À saída do TCIC, o advogado de Zeinal Bava, José António Barreiros, explicou aos jornalistas que a defesa argumentou que o gestor não poderia ser acusado, porque não tinha estatuto de funcionário da empresa, razão esta que foi acolhida pelo juiz Ivo Rosa. “Tudo se passava na SGPS e a SGPS não era concessionária do serviço público. O Tribunal acolheu esta razão e, portanto, tudo caiu a partir daí”, esclareceu.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Acusação a Bava e Granadeiro na Operação Marquês “cai” por não terem estatuto de gestor público

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião