Institutos alemães reveem em baixa crescimento do PIB para 3,7% em 2021

  • Lusa
  • 15 Abril 2021

Os principais institutos de investigação económica da Alemanha baixaram as previsões de crescimento para 2021 e preveem agora um aumento inferior em um ponto.

Os principais institutos de investigação económica da Alemanha baixaram as previsões de crescimento para 2021 e preveem agora um aumento de 3,7% do Produto Interno Bruto (PIB) alemão, menos um ponto do que o estimado no relatório de outono.

No relatório da primavera, apresentado esta quinta-feira, os institutos defendem que as atuais restrições para combater a pandemia estão a travar a recuperação económica, mas preveem que, assim que os avanços na vacinação travarem o perigo de contágio, haverá uma forte retoma. “A manutenção das restrições pode ter levado a uma queda de 1,8% na economia”, disse Thorsten Schmidt, diretor de investigação económica do Instituto Leibniz.

Para 2022, os institutos contam com um crescimento de 3,9% e esperam que a atividade económica se normalize a partir do início do próximo ano. Nas suas previsões, os institutos assumem que as restrições permanecerão em vigor e que só a partir de meados do segundo trimestre haverá um levantamento gradual das mesmas.

Até ao verão, de acordo com Schmidt, é de esperar que haja uma reação positiva na economia, especialmente nas empresas do setor dos serviços que têm sido particularmente atingidas pela pandemia. A recuperação económica conduzirá também a uma recuperação no mercado de trabalho alemão e espera-se um claro declínio do desemprego a partir de maio.

Os orçamentos públicos, de acordo com as previsões dos institutos, terão um défice de 159.000 milhões de euros, o que equivale a 4,5% do PIB e ligeiramente acima do registado em 2020. Embora as receitas fiscais já estejam a aumentar, as despesas públicas também estão a subir devido aos custos das vacinas e dos testes. Espera-se uma clara redução do défice para 1,6% do PIB até 2022.

A pandemia terá o seu impacto nas capacidades de produção da economia alemã, que, segundo os institutos, será 1,1% inferior ao nível anterior à crise do novo coronavírus até 2024. Além disso, as consequências das alterações demográficas conduzirão a uma redução da população em idade ativa nos próximos anos, o que reduzirá o potencial de crescimento.

O principal risco da previsão continua a ser o desenvolvimento da pandemia e possíveis problemas no fornecimento de vacinas e testes. Além disso, alertam os economistas, existe o perigo de as mutações reduzirem a eficácia das vacinas, o que poderia levar a um atraso no processo de abertura com as consequentes repercussões na recuperação económica.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Institutos alemães reveem em baixa crescimento do PIB para 3,7% em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião