BCP põe à venda 111 hectares de terrenos na Amadora

Em causa estão 111 hectares de terrenos na Amadora, sendo que 38 hectares poderão ser destinados à construção de habitação.

O BCP pôs à venda um conjunto de terrenos na Amadora com um total de 111 hectares, sendo que uma parte poderá ser destinada à construção de habitação.

Junto ao centro da Amadora, desde a linha de comboio até ao bairro dos Moinhos da Funcheira, o BCP tem um conjunto de terrenos com uma área de 111 hectares, dos quais 38 hectares correspondem a “área livre urbana e urbanizável”, que, segundo o Plano Diretor Municipal (PDM), permitem 250.000 metros quadrados de construção acima do solo, refere a Cushman&Wakefield (C&W), em comunicado enviado esta terça-feira.

De acordo com a consultora imobiliária, o BCP está a trabalhar com a Câmara da Amadora na promoção de “projetos maioritariamente residenciais de média e alta densidade”, isto é, a autarquia está a estudar a vai ainda definir que partes destes terrenos serão passíveis de construção, sendo que os projetos que ali vierem a nascer terão ainda de “integrar áreas de comércio e serviços de proximidade bem como espaços verdes e de lazer“.

Esta “será a mais importante bolsa para promoção residencial para a classe média da Grande Lisboa nos próximos anos”, diz a Cushman, que acrescenta que, dado o atual contexto de pandemia, com muitas pessoas a trabalharem a partir de casa e a valorização cada vez maior de espaços verdes, “estes terrenos reúnem as melhores condições para o desenvolvimento do tão falado conceito da cidade de 15 minutos”.

“Esta é uma rara oportunidade de promoção futura com escala numa localização suburbana excecional a um preço extremamente competitivo e numa zona cada vez mais estratégica, especialmente considerando a necessidade crescente de habitação moderna e flexível para a classe média”, diz Ana Gomes, partner e diretora de Desenvolvimento e Living da C&W.

Estes terrenos fazem parte de um lote com 170 hectares, sendo que os restantes 15 hectares são propriedade da Câmara da Amadora. De acordo com o teaser consultado pelo ECO, a componente de construção de habitação social será de 10% do total e será “repartida equitativamente” entre a autarquia e o banco. O PDM da Amadora está a ser desenvolvido e deverá ser publicado até 2024.

O ECO questionou o BCP e a Cushman para saber quanto é que o banco pretende encaixar com estes terrenos, mas ambas as entidades recusaram responder.

Localização dos terrenos (excetuando as manchas azuis).D.R.

(Notícia atualizada às 17h20 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

BCP põe à venda 111 hectares de terrenos na Amadora

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião