Lucro da Bosch cai 64% em 2020 para 749 milhões com impacto da pandemia

  • Lusa
  • 22 Abril 2021

O lucro líquido do grupo alemão Bosch caiu 64% em 2020 para 749 milhões de euros, face aos 2.060 milhões de euros conseguidos em 2019, devido à pandemia.

O lucro líquido do grupo alemão Bosch caiu 64% em 2020 para 749 milhões de euros, face aos 2.060 milhões de euros conseguidos em 2019, devido ao impacto da pandemia, segundo dados divulgados esta quinta-feira pela empresa.

A empresa explica que a pandemia da Covid-19 teve impacto nos resultados do grupo, com as vendas a caírem 6,4% em 2020, face a 2019 (4,3% após o ajuste para efeitos da taxa de câmbio), totalizando 71,5 mil milhões de euros.

No entanto, a multinacional alemã sinaliza “um ano de negócios melhor do que o esperado”.

Segundo o diretor financeiro (CFO), Stefan Asenkerschbaumer, citado num comunicado enviado pelo grupo, “a melhoria das vendas no segundo semestre do ano, bem como economias de custo significativas, ajudaram a amortecer o impacto da pandemia”, explica.

O grupo Bosch gerou um lucro de operações antes de juros e impostos (EBIT) de dois mil milhões de euros e a margem EBIT das operações atingiu os 2,8%, acrescenta.

O índice de capital próprio líquido permaneceu num nível elevado de 44%, enquanto o fluxo de caixa livre atingiu um nível recorde de 5,1 mil milhões de euros.

“A Bosch superou de forma positiva o primeiro ano da pandemia de coronavírus”, resumiu o presidente do conselho de administração da Bosch, Volkmar Denner, durante a apresentação dos resultados, referindo que a Inteligência Artificial e a eletromobilidade são o caminho a seguir.

Para este ano, a Bosch espera que a economia global cresça pouco menos de 4%, após uma contração de cerca de 3,8% no ano passado.

“Embora tenhamos tido um início confiante em 2021, a pandemia continua a representar riscos significativos”, explica Asenkerschbaumer.

O CFO acrescenta que a Bosch está particularmente ciente dos constrangimentos de mercado no setor automóvel, especialmente a elevada procura de semicondutores.

“Nesta profunda transformação, 2021 será um ano muito importante e desafiante para nós”, disse o responsável citado na nota, referindo que vê a empresa numa situação de liquidez satisfatória.

“A Bosch continua a desfrutar de uma estrutura financeira saudável e isso permitirá que se concentre em áreas de importância futura”, disse.

Por regiões, na Europa, as vendas do ano foram de 38 mil milhões de euros (5,1% abaixo do registado no ano anterior), na América do Norte, as vendas totalizaram 10,7 mil milhões de euros, representando uma queda de 15,5%.

Na América do Sul, os efeitos da taxa de câmbio tiveram um impacto particularmente pronunciado nas vendas, com 1,1 mil milhões de euros e as vendas recuaram 22,3% em relação ao ano anterior.

Na Ásia-Pacífico, incluindo outras regiões, a rápida e forte recuperação do mercado na China amorteceu os efeitos da pandemia do coronavírus, com as vendas a caírem apenas 2,6% para 21,7 mil milhões de euros.

Denner admite que a transformação da Bosch custará empregos por um lado, mas acrescentou que também trará novas perspetivas para os colaboradores, por outro.

Nas suas fábricas centrais, a Bosch está a adquirir competências de desenvolvimento e produção de sistemas a gasolina e diesel e a aplicá-las a novas tecnologias, como é o caso das células de combustível.

“Já preenchemos mais da metade dos nossos postos de trabalho relacionados com a eletromobilidade com colaboradores do setor dos motores de combustão”, disse.

Em 31 de dezembro de 2020, o Grupo Bosch empregava cerca de 395.000 colaboradores em todo o mundo, um número que reflete cerca de 3.100 pessoas a menos do que no ano anterior, representando uma queda de cerca de 1%.

O número de colaboradores diminuiu principalmente na Ásia-Pacífico.

Na Alemanha, o número de colaboradores permanece nos 131.800.

Em todo o mundo, segundo os dados da empresa, o número de investigadores e engenheiros aumentou de cerca de 600 para cerca de 73.200 e o número de técnicos de desenvolvimento ‘software’ também cresceu mais de 10% para cerca de 34.000.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Lucro da Bosch cai 64% em 2020 para 749 milhões com impacto da pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião