EUA juntam-se ao combate ao discurso de ódio na internet

  • Lusa
  • 8 Maio 2021

Os EUA juntaram-se esta semana ao chamado “Apelo de Christchurch”, que prevê o combate contra os conteúdos terroristas extremistas online. Administração Trump tinha recusado subscrevê-lo em 2019.

Os EUA juntaram-se ao chamado “Apelo de Christchurch”, que prevê o combate contra os conteúdos terroristas extremistas online, anunciou o presidente francês Emmanuel Macron.

Falando numa conferência de imprensa no final do Conselho Europeu, no Porto, Macron disse que a administração liderada por Joe Biden comunicou essa intenção aos parceiros europeus durante a manhã. Em 2019, data da adoção do citado Apelo, os EUA recusaram-se a subscrevê-lo.

“Aproveito para me congratular com a decisão americana de se juntar a nós no quadro do Apelo de Christchurch”, afirmou o Presidente francês.

O Apelo surgiu na sequência do ataque a duas mesquitas na cidade neozelandesa de Christchurch, no qual morreram 51 muçulmanos. O atentado foi perpetrado por um atirador, que aproveitou o Facebook para difundir o ataque, vídeo que se tornou viral.

No Apelo, trabalhado em conjunto por Macron e a primeira-ministra neozelandesa, Jacinta Ardern, as plataformas da internet – incluindo o Facebook (e as duas filiais WhatsApp e Instagram) e Google – comprometem-se a combater “os conteúdos online terroristas ou extremistas violentos.

Na próxima semana, anunciou Macron, realizar-se-á um novo encontro no âmbito deste Apelo, já subscrito por 52 países, 10 grandes empresas e plataformas mundiais da internet, no qual será levado à prática um “programa ambicioso” que permitirá ir mais longe no combate à difusão do discurso do ódio, nomeadamente trabalhando com algoritmos.

Em março passado, a União Europeia (UE) adotou um regulamento sobre a divulgação de conteúdos terroristas ‘online’ que permite a remoção rápida desses conteúdos e estabelece um instrumento comum para enfrentar ameaças.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

EUA juntam-se ao combate ao discurso de ódio na internet

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião