SATA pede autorização para voar para Londres

O objetivo é assegurar uma ligação direta entre Ponta Delgada e Londres. ANAC deverá pronunciar-se num prazo de 60 dias.

A companhia aérea dos Açores pediu autorização para operar uma nova linha. O objetivo é assegurar uma ligação direta entre Ponta Delgada e Londres.

De acordo com o aviso da Autoridade Nacional da Aviação Civil, publicado esta segunda-feira em Diário da República, a SATA Internacional – Azores Airlines “requereu uma autorização de exploração de serviços aéreos regulares extra-União Europeia, na rota Ponta Delgada-Londres-Ponta Delgada”.

A ANAC deverá pronunciar-se num prazo de 60 dias, mas sempre que for necessário pedir esclarecimentos adicionais a contagem do tempo pára.

No final de abril, a SATA viu aprovado, pela Comissão Europeia, um apoio do Estado português, que pode chegar aos 267,5 milhões de euros, no mesmo dia em que Bruxelas anunciou também que ia prolongar a investigação acerca do plano de restruturação da companhia aérea.

As duas transportadoras da SATA (a SATA Air Açores, que viaja dentro do arquipélago, e a Azores Airlines) fecharam o terceiro trimestre de 2020 com prejuízos de 61 milhões de euros, valor superior aos 38,6 milhões negativos do período homólogo de 2019. A operação da SATA em 2020, à imagem da globalidade das transportadoras aéreas, foi fortemente condicionada pela pandemia, tendo a empresa parado a operação durante a maior parte do segundo trimestre do ano. Todavia, os prejuízos globais do grupo açoriano haviam já sido de 53 milhões de euros em 2019, valor em linha com a perda registada em 2018.

Em fevereiro, o presidente do conselho de administração da SATA revelou que o plano de reestruturação da transportadora prevê o regresso aos lucros em 2023, tendo mostrado confiança em que, a partir desse ano, a operação seja “sustentável”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

SATA pede autorização para voar para Londres

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião