Pedro Nuno Santos responde à Ryanair: “Governo não aceita intromissões nem lições de uma companhia aérea estrangeira”

Depois de a Ryanair ter atacado o Governo por "desperdiçar dinheiro" na TAP, Pedro Nuno Santos responde que a companhia irlandesa "só está em Portugal porque isso lhe é financeiramente favorável".

O ministro das Infraestruturas reuniu-se esta quarta-feira com o presidente-executivo da Ryanair, mas o responsável da companhia irlandesa continua a afirmar que o Governo português está a “desperdiçar dinheiro” com a “falhada” TAP. Pedro Nuno Santos já respondeu de volta, acusando a Ryanair de se “aproveitar de uma situação difícil” e avisou que o Executivo não aceita intromissões nem lições de uma companhia aérea estrangeira.

“A Ryanair é uma empresa privada e não tem de interferir nas decisões soberanas tomadas pelo Governo português. Portugal é um Estado soberano e democrático e o Governo não aceita intromissões nem lições de uma companhia aérea estrangeira que responde apenas perante os seus acionistas”, refere o ministério de Pedro Nuno Santos, em comunicado.

O gabinete do ministro continua a afirmar que “a Ryanair se está a procurar aproveitar de uma situação difícil” causada pela pandemia “para atacar um conjunto de companhias europeias de importância central para vários Estados-Membros” e que a reunião que aconteceu hoje — a pedido de Pedro Nuno Santos — deixou isso “claro para todos”. O investimento planeado para a TAP é “estratégico e estruturante”, lê-se.

O Ministério das Infraestruturas nota que, apesar de o investimento da Ryanair em Portugal ser “bem-vindo”, “é importante realçar que a empresa só está em Portugal porque isso lhe é financeiramente favorável”. “É uma questão de lucro e não um ‘favor’ ao Estado português ou aos portugueses. A Ryanair só vem para Portugal porque é do seu interesse”, refere o comunicado.

Nesse sentido, Pedro Nuno Santos afirma que, para continuar a operar em Portugal, a companhia low-cost “tem de respeitar o enquadramento legislativo nacional, em particular a legislação laboral” que “teima em desrespeitar”.

O gabinete do ministro nota que, durante o encontro com Michael O’Leary esta manhã, Pedro Nuno Santos deixou claro que é o Governo português quem “decide legitimamente as políticas públicas que entende executar, e onde e quando investir, e em que setor ou em que empresas em que é acionista deve apostar”.

(Notícia atualizada às 15h46 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Pedro Nuno Santos responde à Ryanair: “Governo não aceita intromissões nem lições de uma companhia aérea estrangeira”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião