Municípios que pararam no desconfinamento produzem um terço da riqueza do país

O desconfinamento está parado em dez concelhos, tendo até recuado em alguns, e os dados mostram que a situação pode piorar. Para já, esses municípios geram cerca de um terço da riqueza de Portugal.

São dez os concelhos que neste momento estão parados no desconfinamento por decisão do Conselho de Ministros, sendo que um deles (Sesimbra) recuou no horário de fim de semana dos restaurantes. Estes dez municípios, apesar de corresponderem a apenas 3,6% do número de concelhos em Portugal Continental (278), criam cerca de um terço da riqueza produzida no país.

Este é o caso de Albufeira, Arruda dos Vinhos, Braga, Cascais, Lisboa, Loulé, Odemira, Sertã e Sintra. Nestes concelhos mantêm-se as regras da última fase do processo de desconfinamento que se seguiu ao segundo confinamento no arranque deste ano. Soma-se Sesimbra onde as regras recuaram ligeiramente, o que poderá vir a aplicar-se a outros concelhos dado que a tendência é de deterioração da situação epidemiológica.

De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) relativos ao valor acrescentado bruto (VAB) por município de 2019, estes dez concelhos geram 33,8 mil milhões de euros de VAB, o que corresponde a 32,4% do VAB total do país (104,4 mil milhões de euros). O VAB corresponde ao valor da produção das empresas menos o valor das matérias-primas e produtos intermédios adquiridos a outras empresas.

Fonte: Governo. Estes são os concelhos que ficaram parados no desconfinamento.

Mas as diferenças no desconfinamento não se ficam por aqui. O Governo decidiu esta quinta-feira proibir a circulação para fora e dentro da Área Metropolitana de Lisboa (AML), onde a situação epidemiológica é mais desafiante, entre as 15h de sexta-feira e as 6h de segunda-feira. Esta medida cobre uma área que produz 43,8% do VAB do país (45,8 mil milhões de euros).

De notar que nem todos os concelhos da AML pararam no desconfinamento dado que todos, exceto Lisboa, avançaram para a nova fase de desconfinamento. Contudo, esta semana já houve recuos (Sintra e Cascais), mas outros continuam com regras menos restritivas, apesar de agora terem esta limitação ao fim de semana.

O impacto económico da paragem do desconfinamento poderá ser maior nas próximas semanas uma vez que se regista uma deterioração da situação epidemiológica e já há 20 concelhos em alerta, isto é, registaram numa semana mais de 120 casos por 100 mil habitantes (ou 240 no caso dos concelhos com baixa densidade populacional). Caso repitam essa fasquia pela segunda semana consecutiva, deverão recuar.

O VAB desses 20 municípios corresponde a 16,2% do VAB total do país, num total de 16,9 mil milhões de euros. Entre estes concelhos estão vários da AML como Amadora, Loures, Oeiras e Palmela (onde está a Autoeuropa, por exemplo).

Mais concelhos poderão ficar de alerta na próxima semana uma vez que já há 40 concelhos com mais de 120 casos por 100 mil habitantes, incluindo os 18 concelhos que fazem parte da AML. Segundo os dados mais recentes da Direção-Geral da Saúde (DGS), não há dúvidas de que as incidências locais conhecidas representam um agravamento da situação pandémica em Portugal.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Municípios que pararam no desconfinamento produzem um terço da riqueza do país

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião