Parlamento Europeu defende regras orçamentais “mais simples e mais flexíveis”

  • Lusa
  • 8 Julho 2021

O Parlamento Europeu defendeu esta quinta-feira uma revisão do quadro de governação económica antes de ser desativada a suspensão das regras orçamentais do Pacto de Estabilidade e Crescimento.

A assembleia expressou a sua posição ao aprovar, por grande maioria, com 461 votos a favor, 133 contra e 94 abstenções, um relatório elaborado pela eurodeputada socialista portuguesa Margarida Marques, que constitui o contributo do Parlamento Europeu para o debate público que a Comissão Europeia deverá lançar no outono em torno da reforma da arquitetura da governação económica europeia.

“Com a cláusula geral de escape ativada, temos uma janela de oportunidade para rever o quadro de governação económica. As atuais regras orçamentais são complexas, obsoletas e muito difíceis de interpretar. A sua aplicação não só prejudicaria a recuperação económica e social, como também dificultaria os investimentos necessários na transição digital e verde de que a Europa necessita”, comentou Margarida Marques, depois da aprovação do seu relatório.

Citada num comunicado da assembleia, a deputada do PS sublinha que “as circunstâncias mudaram desde o Tratado de Maastricht, pelo que o quadro de governação económica deve ser revisto e deve ser orientado para o futuro”, devendo as novas regras orçamentais ser “mais simples e mais flexíveis, a fim de assegurar a sustentabilidade da dívida, e promover o crescimento económico a longo prazo com investimentos públicos e privados adequados”.

Propomos vias de redução da dívida específicas de cada país, tendo em conta os diferentes desafios enfrentados por cada país”, acrescenta. Em entrevista à Lusa em Estrasburgo na terça-feira, Margarida Marques já salientara a necessidade de se rever o Pacto de Estabilidade e de Crescimento (PEC) e de introduzir os objetivos políticos no Semestre Europeu, de maneira a fazer com que as regras orçamentais, “do ponto de vista da governação económica, funcionem”.

No que se refere à revisão dos limites estipulados pelo PEC – e que indicam que os Estados-membros devem evitar ultrapassar défices públicos acima de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) e valores da dívida pública superiores a 60% do PIB – Margarida Marques diz que não pretende “pedir a revisão dos Tratados”, avançando que há juristas que consideram que se pode rever o protocolo que consagra esses valores sem se alterar os Tratados e outros que não.

No entanto, a eurodeputada destacou que a “média da dívida ao nível europeu” ronda atualmente “os 100%”, o que torna a ideia de fazer com que os Estados-membros tenham uma “dívida a 60% rapidamente” uma “coisa completamente irracional”.

“E, portanto, mais do que mudar esses números – se não houver capacidade para mudar – é ter um percurso diferenciado por Estado-membro, que é, aliás, o que nós propomos no relatório. Evidentemente, haverá Estados-membros que têm condições para, dentro de dois ou três anos, atingir os 60%. Há outros que não têm, portanto têm que ter um percurso definido e, em vez de serem 20 anos, podem ser 40”, defendeu.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Parlamento Europeu defende regras orçamentais “mais simples e mais flexíveis”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião