Fusão Aon-WTW obtém luz verde de Bruxelas, com condições

  • ECO Seguros
  • 9 Julho 2021

A Direção Geral da Concorrência UE aprovou, como esperado, a criação do maior grupo mundial em consultoria de risco e intermediação de seguros, com valorização estimada em 80 mil milhões de dólares.

A Comissão Europeia (CE) aprovou a aquisição da Willis Towers Watson (WTW) pela Aon, embora sob a condição de que se concretize, por completo, conjunto significativo de compromissos assumidos pela adquirente (Aon Plc), nomeadamente o desinvestimento – através de venda à Arthur J. Gallagher – de partes importantes do negócio internacional de corretagem da WTW.

Margrethe Vestager, vice-presidente executiva da CE e responsável pela política de Concorrência, afirmou: “As empresas europeias dependem dos corretores para acederem às melhores soluções possíveis na gestão do seu risco comercial”.

A projetada combinação foi anunciada em março 2020, notificada à DG da Concorrência UE em novembro e, pela dimensão e impacto, submetida desde dezembro a análise aprofundada ao abrigo do Regulamento europeu sobre fusões e concentrações

“Aon e Willis Towers Watson são operadores líderes nos mercados da corretagem de seguros e resseguros. O pacote de soluções aceite pela Comissão garante que as empresas europeias, incluindo as companhias de seguros e grandes clientes multinacionais, continuarão a ter ampla e boas opções de serviço quando escolherem um corretor adequado às suas necessidades,” explicou a responsável pela área da Concorrência citada em comunicado da instituição europeia.

Os compromissos assumidos pelas protagonistas da maior fusão de sempre no setor da corretagem de seguros “fortalecerão a Gallagher nas suas capacidades de resseguro e corretagem de risco comercial” e melhorarão a sua posição no Espaço Económico Europeu. A operação, acrescenta ainda o comunicado de Bruxelas, tornará a Gallagher uma “alternativa credível” à entidade resultante da fusão, após a combinação Aon-WTC.

Em maio passado, no âmbito dos esforços para resolver as objeções de Bruxelas “e de outras jurisdições”, a Aon anunciou acordo definitivo com a Gallagher, com base no qual cede à concorrente norte-americana um conjunto de atividades da Willis Towers Watson, por um total de 3,75 mil milhões de dólares.

Segundo lista agora a Comissão Europeia, os compromissos assumidos pela Aon incluem, entre outros, a venda de todas operações comerciais de corretagem de risco que a WTW desenvolve em Espanha, Alemanha, Espanha e Países Baixos; todo o negócio de corretagem de seguro Espacial e indústria Aeroespacial; toda a carteira de tratados de resseguro (Willis Re) e resseguro facultativo; todo o negócio de planos de reforma e consultoria em benefício de empresa que a WTW desenvolve na Alemanha, bem como o negócio germânico de soluções de investimento.

A Aon só poderá avançar com os procedimentos de aquisição da WTW “depois de a Comissão Europeia ter avaliado e aprovado a Gallagher como sendo comprador adequado” dos desinvestimentos, refere ainda o comunicado.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Fusão Aon-WTW obtém luz verde de Bruxelas, com condições

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião