Petróleo recua mais de 2%, após acordo da OPEP+

Os preços de petróleo caem mais de 2%, depois de a OPEP+ ter alcançado um acordo para “aumentar a produção de forma gradual até dezembro“. 

As principais bolsas europeias abriram esta terça-feira negociar no “vermelho” e os preços do petróleo estão a recuar mais de 2%, depois de a OPEP+ ter alcançado um acordo para “aumentar a produção de forma gradual até dezembro”.

O crude, negociado em Nova Iorque, está a cair 2,81%, com o barril nos 69,80 dólares, regressando a preços que não eram praticados desde junho deste ano, enquanto o Brent, que serve de referência europeia, está a ceder 2,73% com o barril a chegar aos 71,58 dólares, também mínimos de junho.

Pelas 8h desta segunda-feira, o Stoxx 600 cedia 0,8% a par com o alemão DAX, enquanto o francês CAC-40 recuava 0,9%, o espanhol caia 1% e o britânico FTSE 100 desvalorizava 1,1%.

As cotações de petróleo nos mercados internacionais estão assim a recuar depois de os membros da OPEP+ terem chegado a acordo para “aumentar a produção de forma gradual até dezembro”. Para além disso, terá sido acordado uma extensão do pacto deste grupo até ao final de 2022, segundo revelou a Reuters que cita uma fonte da OPEP+.

No ano passado, por causa da pandemia e da crise económica a procura afundou e a OPEP+ decidiu fazer um corte na produção de quase dez milhões de barris por dia para tentar ajustar a oferta à procura. Estes cortes foram sendo entretanto aliviados e atualmente ainda subsiste um travão de 5,8 milhões de baris por dia.

Além disso, ficou ainda acordado que os Emirados Árabes Unidos, o Iraque e o Kuwait vão ter quotas de produção maiores a partir de maio de 2022. Este era um dos grandes entraves já que os Emirados queixavam-se que sua quota de produção era calculada de forma injusta, porque não refletia o investimento que o país fez para expandir a indústria.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Petróleo recua mais de 2%, após acordo da OPEP+

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião