GreenVolt aproveita boas “valorizações” para vender parques eólicos na Polónia

Depois de várias compras, e com Espanha debaixo de olho, Manso Neto abre a porta à venda de parques eólicos na Polónia, tirando partido das "boas valorizações". Em Portugal, está a "estudar" o PRR.

A GreenVolt tem andado às compras. Antes de entrar em bolsa fez vários negócios para aumentar a sua capacidade de produção de energia a partir de fontes renováveis, mas vai começar a vender alguns projetos. Manso Neto revela ao ECO que poderá, em breve, alienar parques eólicos e solares no mercado polaco perante o apetite demonstrado pelos investidores. Há boas “valorizações”, diz.

Depois do acordo com a V-Ridium, na Polónia, a empresa liderada por Manso Neto comprou a Tilbury, negócio que castigou as contas da GreenVolt na primeira metade do ano. Com estas operações, ganhou dimensão rumo à bolsa, sendo o objetivo o de continuar a fazer compras, nomeadamente no segmento do Business 2 Consumer em Espanha, diz o CEO.

“O que temos previsto até ao final do ano é concretizar aquilo que ainda não concretizámos, que é entrar no mercado descentralizado em Espanha, no B2C”, refere ao ECO, lembrando que, obviamente, o principal será o de “pôr em valor aquilo que já comprámos. Queremos dar valor a estas compras”, atira.

A GreenVolt arrancou com uma capacidade produtiva de 98MW através das centrais de biomassa em Portugal. Em 2022 terá, no “mínimo dos mínimos, 98, mais 1,5 MW” em resultado da capacidade adicional em Vila Velha de Ródão. Com as operações nos outros países “teremos 140 a 142 MW só de biomassa. Do vento e do sol, se calhar produzíamos, mas estamos a pensar vender”, revela.

"O que temos previsto até ao final do ano é concretizar aquilo que ainda não concretizámos, que é entrar no mercado descentralizado em Espanha.”

Manso Neto

CEO da GreenVolt

“Temos sido abordados por investidores para comprarem projetos na Polónia”, diz Manso Neto, salientando que o objetivo não era o de vender, mas as condições de mercado estão atrativas. Está, por isso, a pensar “vender porque há uma boa valorização. É uma boa altura para fazer o encaixe” com o eólico e o solar na Polónia onde têm sido abordados por investidores não só polacos.

PRR está “em estudo”

Grande parte do crescimento da GreenVolt será feito lá fora, mas mantendo a base do negócio na biomassa no mercado nacional. Em Portugal, o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), que Manso Neto classifica de “saudável”, pode trazer benefícios para a empresa que lidera, mas serão sempre indiretos.

“Estamos a estudar esse assunto [o PRR]. Onde estou a ver com mais possibilidade [negócio para a GreenVolt], mas temos de ver com detalhe, e não é diretamente para nós, mas é para os nossos clientes industriais onde nós instalemos produtos da Profit Energy…. Aí admito que haja. Não são incentivos para nós, mas para os nossos clientes que podem tirar partido dos incentivos à eficiência energética e ao autoconsumo”. “Se este tipo de instalações for fomentada, maior será a nosso benefício. Não é direto, mas indireto, na medida em que os clientes tenham mais vontade de fazer estes investimentos”.

“Tanto quanto percebi, o PRR está muito vocacionado para o apoio ao consumo, ao investimento direto. Não beneficiamos diretamente, apenas beneficiamos enquanto alguém que coloque e faça esses investimentos”. Questionado sobre se era uma crítica ao PRR, Manso Neto, diz que não. “Não é um consumo de desperdício. Chama-se aumentar a eficiência energética, a produtividade. Se se confirmar que isto existe, é saudável“, remata.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

GreenVolt aproveita boas “valorizações” para vender parques eólicos na Polónia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião