Tem Havaianas antigas que não usa? Já lhes pode dar uma nova vida

  • Capital Verde
  • 31 Julho 2021

A Havaianas lançou um sistema de retoma, que recolhe e recicla chinelos usados nas lojas da marca e em alguns parceiros selecionados. Portugal conta já com sete pontos de recolha.

Se tem um ou vários pares de chinelos da marca brasileira Havaianas que não usa, que já apresentam sinais de desgaste ou que estão mesmo estragadas, saiba que é possível dar~lhes uma vida nova. Neste momento, 60% das solas dos chinelos nova gama Havaianas You já são feitas com materiais reciclados. A marca aproveita os materiais excedentes da linha de produção de chinelos e usa-os para fabricar as coleções mais recentes.

Mas agora os consumidores também podem — e devem — ajudar neste processo de economia circular. Para isso, basta deixar as Havaianas antigas (ou qualquer outro chinelo, na verdade) num dos muitos pontos de retoma da marca, já existentes em várias lojas em Portugal e por toda a Europa.

A iniciativa, que surgiu este ano, já tem 76 pontos de reciclagem espalhados em seis países europeus, nomeadamente, no Chipre, em Espanha, em França, na Grécia, em Itália e em Portugal.

Os sete novos pontos de recolha em Portugal encontram-se situados nos centros comerciais Almada Forum, Colombo, Chiado, Vasco da Gama e Dolce Vita Tejo, mas também em Portimão e no Funchal.

Depois de entregues para reciclagem, os chinelos são entregues à empresa Rubberlink, especialista na recuperação de resíduos de borracha, que os vai transformar em nova matéria-prima. Esta pode ser usada para fazer novas havaianas, mas também tapetes de yoga ou fitness e até em solas de sapatos.

Desde 1962 que a marca Havaianas produz chinelos a partir da borracha, um produto natural no Brasil, com a vantagem de ser um material reutilizável.

A marca brasileira garante que não desperdiça nenhum material excedente da sua linha de produção, uma vez que o usa para fabricar as coleções mais recentes ou, nos casos em que não conseguem usar as sobras para fazer novas Havaianas, estas tornam-se parte integrante de outros produtos feitos de borracha, como pneus.

O objetivo da marca passa por continuar a aumentar o número de pontos de recolha o mais rapidamente possível e procurar sempre encontrar novas formas de receber Havaianas usadas, a fim de lhes dar uma nova vida.

A marca Havaianas tem vários programas de sustentabilidade, entre os quais uma parceria com o Instituto de Pesquisas Ecológicas. Há mais de 16 anos que a empresa apoia o seu trabalho na Floresta Amazónica: 7% dos lucros provenientes dos modelos IPÊ revertem diretamente a favor de projetos do Instituto, mais especificamente da conservação da biodiversidade brasileira. Graças a esta parceria já foram plantadas mais de 3,2 milhões de árvores na Mata Atlântica.

Além disso, durante os últimos 10 anos, 7% dos lucros resultantes das vendas do modelo CI têm revertido em benefício da Conservação Internacional, uma ONG que atua em prol da preservação da vida marinha, especialmente na região de Abrolhos, que possui a maior biodiversidade de todo o oceano Atlântico Sul.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Tem Havaianas antigas que não usa? Já lhes pode dar uma nova vida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião