ADSE reviu tabelas para dar mais 14 milhões aos privados

  • ECO
  • 17 Agosto 2021

A ADSE fez uma revisão dos preços inicialmente propostos que implicará uma despesa extra de mais 14 milhões de euros por ano. As novas tabelas deverão entrar em vigor a 1 de setembro.

Já depois de estar aberto o conflito com os privados sobre as tabelas, a ADSE fez uma revisão dos preços inicialmente propostos que implicará uma despesa extra de mais 14 milhões de euros por ano, avança o Jornal de Negócios (acesso pago).

Entre o momento que foram apresentadas, em agosto de 2019, e o momento atual, foram corrigidos “muitos erros quer a nível de cálculo de preços quer de natureza clínica”, de forma a alterar uma tabela que “geraria naturalmente grandes conflitos e perturbações”, diz Eugénio Rosa. As novas tabelas deverão entrar em vigor a 1 de setembro.

O vogal, que revela a correção, diz que “para se poder ficar com uma ideia da dimensão das correções feitas, em que a preocupação de nunca reduzir os honorários dos médicos foi constante pois é o fator mais importante em qualquer cirurgia, interessa referir que a subida de preços que se teve de fazer determinou para a ADSE um aumento de encargos estimado em 14 milhões de euros por ano”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

ADSE reviu tabelas para dar mais 14 milhões aos privados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião