Regresso ao escritório? Siemens quer teletrabalho “sem limite de dias”

Nos escritórios, os testes rápidos, medição da temperatura corporal, sistemas de "booking" e "health check" são alguns procedimentos implementados pela multinacional.

A Siemens acabou com o limite de dois dias por semana em teletrabalho. No regresso ao escritório, os mais de dois mil colaboradores da multinacional em Portugal, cujas funções o permitem, poderão trabalhar remotamente sem limite de dias, adiantou Marina Guerra, responsável pela área de ambiente, saúde e segurança na Siemens Portugal, à Pessoas.

Desde 2016 que os colaboradores da multinacional tinham a possibilidade de trabalhar até dois dias por semana a partir de casa, mas com a pandemia a enviar os colaboradores o trabalho remoto sempre que possível, no regresso a Siemens decidiu apostar numa maior flexibilidade no modelo de trabalho. A ideia, agora, é passar de dois dias de teletrabalho para um número ilimitado.

Com 2.887 pessoas empregadas em Portugal, o teletrabalho aplica-se a todos os colaboradores da Siemens, exceto aos que têm funções que requerem presença física permanente ou parcial nas instalações da empresa ou nos projetos dos seus clientes, detalha fonte oficial.

No ano passado, em dezembro, a Siemens atribuiu o chamado “Corona Bónus”, um apoio monetário no valor de 750 euros a todos os colaboradores, excluindo as primeiras linhas de direção. “Foi um agradecimento pelo compromisso, dedicação e contribuição de todos face aos desafios que a pandemia colocou à empresa”, recorda Marina Guerra. E a somar-se a este bónus, a ofereceu ainda um cheque de 250 euros, com o objetivo de apoiar aquisição de material de escritório, como monitores, cadeiras, mesas, periféricos ou impressoras. O objetivo deste bónus de mil euros foi “melhorar a qualidade de vida dos colaboradores, minimizar os impactos negativos da pandemia, bem como aumentar o conforto no seu ‘novo’ local de trabalho”.

Testes rápidos, termómetros e sistemas de booking

Apesar da possibilidade de trabalhar à distância, a empresa vai continuar a oferecer todas as condições necessárias para todos aqueles que preferirem trabalham no escritório. Para isso, e agora que o teletrabalho é apenas recomendado, “iremos intensificar os preparativos para o regressos das nossas pessoas aos escritórios”, continua Marina Guerra.

Alguns processos já estão implementados e a funcionar em pleno. É o caso do “health check”, que deve ser preenchido por todos os funcionários, da realização de testes rápidos de antigénio a cada 14 dias, da medição da temperatura corporal na entrada das instalações e da marcação prévia do posto de trabalho e, também, da refeição.

A testagem mais frequente é, de facto, uma das medidas que as organizações mais estão a adotar. Ainda que as empresas ouvidas pela Pessoas/ECO admitam que ter a vacinação contra a Covid-19 completa não é um requisito obrigatório para voltar ao escritório — ao contrário do que já acontece sobretudo em empresas nos Estados Unidos — proceder, com maior regularidade, a testes rápidos parece ser um procedimento implementado na maioria delas.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Regresso ao escritório? Siemens quer teletrabalho “sem limite de dias”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião