Há uma nova variante detetada na África do Sul

Foi identificada uma nova variante do Sars-Cov-2. Em causa está a variante C.1.2 detetada na África do Sul e já que terá chegado a outros países, como Nova Zelândia, Suíça e Portugal.

Um estudo do Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis da África do Sul e da Plataforma de Inovação e Sequenciamento de Pesquisa KwaZulu-Natal identificou uma nova variante do Sars-Cov-2. Em causa está a variante C.1.2 identificada na África do Sul e já detetada noutros países, incluindo Portugal.

Segundo o estudo publicado na plataforma MedRXIV, a 24 de agosto, esta nova variante descende da C.1 e foi detetada pela primeira vez em maio deste ano em duas províncias da África do Sul (Mpumalanga e Gauteng), tendo-se posteriormente alastrado para fora do país. Em junho, chegou a Inglaterra e à China, ao passo que em agosto estava já presente em várias províncias sul africanas, bem como na República Democrática do Congo, Maurícia, Nova Zelândia, Suíça e em Portugal.

Apesar de esta investigação ainda não ter sido revista pelos pares, os cientistas acreditam que esta variante sofreu “uma mutação substancial” quando comparada com a C.1, também identificada na África do Sul, com o estudo a apontar para uma taxa de mutação de cerca de 41,8 mutações por ano, que é quase duas vezes mais rápida que a atual taxa de mutação global das outras variantes.

Outra das preocupações elencadas pelos investigadores diz respeito à transmissibilidade desta variante, já que o mesmo estudo apontava que, em maio, a C.1.2 representava 0,2% do genoma sequenciado, 1,6% em julho e 2% em julho, ou seja, uma evolução “semelhante à verificada nas variantes Beta e Delta” nas suas fases iniciais.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Há uma nova variante detetada na África do Sul

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião