Matosinhos já fez proposta à Galp para terrenos da refinaria

Um centro tecnológico para os setores da energia e do mar e o novo centro de investigação marinha são as sugestões da autarquia para aquele espaço. Em Matosinhos, Siza Vieira deu a “lição” à Galp.

A Câmara de Matosinhos já apresentou uma proposta à Galp e ao Governo sobre o que poderá ser concretizado nos terrenos da antiga refinaria da empresa, em Leça da Palmeira, assim que fique concluído o processo de desmantelamento e de descontaminação da unidade industrial que deixou de produzir a 30 de abril.

Em declarações ao ECO, a presidente da Câmara, Luísa Salgueiro, explicou que a proposta está dividida em duas partes, sendo que a primeira seria “da responsabilidade da própria Galp”: um centro tecnológico dedicado aos temas da energia e do mar, acolhendo novas empresas e start-ups destes setores.

Outra parcela seria cedida à autarquia para a construção de uma infraestrutura ligada à Universidade do Porto e dedicada à investigação do mar. A ideia é que pudesse acolher o Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) que “já não tem condições para continuar onde está”, no edifício do Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões.

“Agora cabe à Galp decidir. Ainda não recebemos nenhuma proposta da empresa em relação ao que pretende fazer nos terrenos. (…) Encararam positivamente as novas sugestões e estão a estudar, mas o timing da Galp é mais demorado e ainda não estão em condições de apresentar a proposta definitiva”, contou a autarca socialista.

Siza Vieira deu a “lição” à Galp

Menos de uma semana depois de António Costa ter agitado a campanha eleitoral com as críticas ao processo de encerramento da refinaria e com a promessa de dar uma “lição” à Galp, o ministro da Economia referiu esta tarde que “a lição a tirar deste processo é que é necessário planear melhor” estes dossiês, “não apenas na perspetiva dos agentes económicos que têm de tomar decisões, mas nos impactos que tem nas suas comunidades e nos territórios em que se inserem”.

Para Pedro Siza Vieira, que falava também à margem da apresentação do projeto do novo campus da Farfetch, precisamente em Matosinhos, “o importante é assegurar que todos os trabalhadores afetados por encerramentos de atividades determinados pela transição energética, devem ter acesso a esquemas de proteção na cessação do emprego, mas sobretudo de apoio à formação para requalificá-los como cidadãos produtivos”.

Um estudo socioeconómico realizado pela Universidade do Porto estima que o encerramento da refinaria nortenha representa uma redução de 1.600 postos de trabalho em Matosinhos e de 5.000 na Área Metropolitana do Porto. A análise, citada pela Lusa, calcula também perdas equivalentes a 5% do PIB no concelho e de 1% na Área Metropolitana do Porto.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Matosinhos já fez proposta à Galp para terrenos da refinaria

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião