Estes são os oito números que marcam o turismo em 2021

Foi um dos setores mais afetados pela pandemia, mas já começou a recuperar. No Dia Mundial do Turismo, o ECO reúne os oito números que descrevem o setor este ano.

Depois de 2020 ter sido um ano perdido, o turismo começou este verão o caminho de recuperação. Muitos portugueses preferiram fazer férias cá dentro, acabando por ajudar o setor, e foram também muitos os estrangeiros que regressaram a terras lusas em lazer. Os números mostram mesmo que o número de turistas nacionais já supera mesmo os níveis de 2019. Esta segunda-feira, no dia em que se comemora o Dia Mundial do Turismo, o ECO reuniu os oito principais números que descrevem o setor até agora, neste que ainda foi um ano atípico.

3,35 mil milhões em receitas

De acordo com dados revelados pelo Banco de Portugal (BdP), o primeiro semestre fechou com uma receita de 3.351 milhões de euros, um valor que corresponde a apenas 36% da meta definida pelo Governo para o total do ano. Em agosto, a receita total estava em 2.398 milhões de euros, apenas 25% da meta definida pelo Executivo. Apesar disso, fonte oficial do Ministério da Economia adiantou ao ECO no mês passado que “tudo fará para que os objetivos traçados sejam alcançados”, sobretudo porque em agosto se registou uma “mudança muito positiva no turismo”.

5,22 milhões de turistas

Os números mais recentes publicados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que, entre janeiro e julho deste ano, os alojamentos turísticos nacionais receberam 5,22 milhões de turistas. No ano passado, no mesmo período, contaram-se 5,36 milhões de turistas, o equivalente a uma quebra de 2,7%, mas em 2019 a descida foi bastante mais acentuada, quando se registaram 15 milhões de turistas (-65,4%).

70% de portugueses

Dos mais de cinco milhões de turistas que passaram por Portugal este ano até julho, 70% foram portugueses, num total de 3,7 milhões, em comparação com os 1,56 milhões que chegaram do estrangeiro. Em termos de evoluções, o número de turistas residentes aumentou 19% face ao mesmo período do ano passado, superando os números de 2019, enquanto o número de estrangeiros caiu 32%.

324 mil turistas espanhóis

Num ano que ficou marcado por várias restrições às viagens, os espanhóis foram a nacionalidade que mais procurou Portugal para passar férias, devido ao acordo entre os dois países, que dispensava de teste ou certificado quem atravessasse a fronteira. Assim, de acordo com os dados do INE, entre janeiro e julho, os alojamentos turísticos nacionais hospedaram 324.218 espanhóis, menos 16% do que no mesmo período do ano passado (foram 385.991 turistas). Atrás aparecem os franceses (201.996 turistas) e os britânicos (199.581).

757,5 milhões de euros em proveitos

Até julho, o turismo obteve 757,5 milhões de euros em proveitos, mais 21% do que no mesmo período do ano passado (693,5 milhões de euros), refere o INE. A maior fatia destes proveitos foi da responsabilidade da hotelaria (637 milhões de euros), enquanto o alojamento local canalizou 68,5 milhões e o turismo de espaço rural e habitação registou cerca de 52 milhões de euros. No que diz respeito aos proveitos por aposento (valores resultantes das dormidas de todos os hóspedes nos meios de alojamento turístico), estes fixaram-se em 564,1 milhões de euros até julho.

2,43 noites de estada média

Contrariando os restantes indicadores, a estada média manteve-se como no ano passado. Entre janeiro e julho deste ano, os hóspedes passaram, em média, 2,43 noites nos estabelecimentos nacionais, o mesmo que no período homólogo, mas abaixo do mesmo período de 2019 (2,58 noites).

Algarve com 28,6% das dormidas

No acumulado do ano, isto é, entre janeiro e julho, o Algarve registou 3,63 milhões de dormidas, o equivalente a 28,6% do total, mostra o INE. Atrás aparece a Área Metropolitana de Lisboa (2,33 milhões de dormidas), o Norte (2,18 milhões) e o Centro (1,67 milhões). A Região Autónoma da Madeira surge com 1,33 milhões de dormidas, enquanto o Alentejo teve 991 mil dormidas e a Região Autónoma dos Açores conseguiu cerca de 522 mil.

8,29 milhões de passageiros nos aeroportos nacionais

O movimento nos aeroportos nacionais mais do que duplicou em julho, contando-se 2,8 milhões de passageiros naquele mês, de acordo com o INE. Somando os sete primeiros meses do ano, contam-se 8,29 milhões de passageiros, o equivalente a uma quebra de 26% face ao mesmo período do ano passado e uma descida de 75,8% face ao mesmo período de 2019.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Estes são os oito números que marcam o turismo em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião