Retalho quer mudar lei dos saldos por causa da inflação

  • ECO
  • 11 Outubro 2021

O diretor-geral da APED alerta que aumento generalizado dos preços pode resultar em menos oportunidades de desconto para os consumidores.

O setor do retalho pede alterações à chamada “lei dos saldos” para mitigar impacto da inflação, que pode resultar em menos oportunidades de desconto para os consumidores, avançou o Jornal de Negócios (sem ligação disponível).

“Estamos preocupados porque o aumento da inflação, que tem sido o padrão dos últimos meses, começa a fazer-se sentir em todos os produtos e segmentos e, naturalmente, tem algumas implicações na gestão das promoções”, afirma o diretor-geral da Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED), Gonçalo Lobo Xavier.

A lei estabelece que os preços dos produtos em saldos e promoções não podem ser mais altos do que os praticados nos 90 dias anteriores (fora de eventuais períodos de saldo ou de promoções). Mas, para este setor, trata-se de um prazo “manifestamente excessivo” e que, por isso, “deve ser alterado”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Retalho quer mudar lei dos saldos por causa da inflação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião