“Blue Bio Value” vai acelerar 18 startups. O prémio final é de 45.000 euros

Leite feito a partir de algas, bioplásticos para substituir embalagens e um produto capilar com ingredientes da Ria Formosa. Estes são alguns dos produtos desenvolvidos pelas startups selecionadas.

O programa “Blue Bio Value”, promovido pela Fundação Oceano Azul e pela Fundação Calouste Gulbenkian, vai acelerar 18 startups ligadas à bioeconomia azul, provenientes de dez países, incluindo Portugal. Na sua quarta edição, o programa de aceleração recebeu 80 candidaturas provenientes de 28 países dos cinco continentes.

“Ao oferecer soluções inovadoras que não degradam a natureza e contribuem para a descarbonização da economia, as startups aceleradas no ‘Blue Bio Value’ são uma prova de que um novo modelo económico é possível. O caminho da mudança passa por construir uma economia azul sustentável, renovável, neutra em carbono e sem resíduos”, afirma Ana Brazão, gestora deste projeto na Fundação Oceano Azul, em comunicado.

Leite vegetal produzido a partir de algas, bioplásticos para substituir embalagens e um produto capilar com ingredientes naturais da Ria Formosa são alguns dos produtos desenvolvidos pelas startups selecionadas. “O número de candidaturas e a criatividade dos projetos, provenientes dos quatro cantos do mundo, mostram o interesse crescente na biotecnologia azul e que esta é uma área, um modelo que vale a pena incentivar”, refere Filipa Saldanha, subdiretora do Programa Gulbenkian Desenvolvimento Sustentável da Fundação Calouste Gulbenkian.

O “Blue Bio Value Aceleração” tem a duração de sete semanas, das quais cinco são remotas e duas presenciais. Durante as duas últimas semanas presenciais, as 18 startups estarão em Lisboa e terão a oportunidade de fazer networking, especialmente em algumas field trips a centros de investigação e empresas relacionadas com a biotecnologia azul nas zonas de Aveiro, Cantanhede, Lisboa e Porto.

Estão já agendadas mais de 100 reuniões entre participantes e mentores em áreas tão variadas como a biotecnologia, o acesso a financiamento, marketing e comunicação, e aconselhamento legal.

A Fundação Oceano Azul e a Fundação Calouste Gulbenkian, em parceria com a Bluebio Alliance, irão apoiar os participantes de forma a validar as tecnologias desenvolvidas, adquirir competências de gestão e aceder a uma rede única de mentores nacionais e internacionais, parceiros especialistas no setor, potenciais clientes e investidores.

As startups que mais se destacarem no decorrer da aceleração serão as vencedoras do final pitch — que decorre a 25 de novembro — recebendo um prémio de 45.000 euros, para ser utilizado no desenvolvimento dos projetos.

Lançado em 2018, o Programa Blue Bio Value já acelerou 42 empresas de 15 nacionalidades. Nestas quatro edições do programa, as Fundações Oceano Azul e Calouste Gulbenkian já investiram um total de dois milhões de euros, contribuindo para que três startups internacionais se sediassem em Portugal e mais de 70% dos participantes no programa expandissem as suas atividades devido à melhoria dos seus produtos.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“Blue Bio Value” vai acelerar 18 startups. O prémio final é de 45.000 euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião