CP não pode “ser gerida como uma repartição pública”, diz ex-presidente

  • Lusa
  • 20 Outubro 2021

Ex-presidente da CP diz que "sanear a dívida histórica" da empresa de comboios e retirá-la do "perímetro orçamental do Estado" é o melhor caminho.

O ex-presidente da CP, Nuno Freitas, avisou esta quarta-feira no Parlamento que a empresa de comboios “não pode ser gerida como uma repartição pública”, impondo-se sanear a sua dívida histórica e retirá-la do perímetro orçamental do Estado.

Não vale a pena ir procurar gente que conhece o negócio, não vale a pena ir à procura de alguém que conhece profundamente o negócio do caminho-de-ferro em Portugal, para depois a empresa ser gerida como uma repartição pública”, disse Nuno Freitas em audição parlamentar na Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação.

O ex-presidente da CP foi chamado a requerimento do PSD, para prestar esclarecimentos sobre a decisão de abandonar o cargo no final de setembro, três meses antes do final do mandato. “É imperativo concretizar o saneamento da dívida histórica, porque esse é o primeiro passo para podermos tirar a CP do perímetro orçamental do Estado e a CP poder ser gerida da mesma forma que é gerida qualquer empresa da sua dimensão“, acrescentou.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

CP não pode “ser gerida como uma repartição pública”, diz ex-presidente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião