Hungria vai exigir vacinação contra a Covid a trabalhadores do setor público

A Hungria vai exigir que todos os trabalhadores do setor público sejam vacinados contra a Covid-19. Decisão surge numa altura em que o país enfrentar um aumento exponencial de infeções.

Depois de Itália, também a Hungria vai tornar obrigatória a vacina contra a Covid-19 para os trabalhadores do setor público, avança a Bloomberg (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

Numa altura em que a Hungria está a enfrentar um aumento exponencial de infeções por Covid-19, o governo liderado por Viktor Orbán vai permitir que as empresas obriguem os funcionários a receber a vacina contra a Covid-19 como condição para manter o emprego. Além disso, a Hungria vai exigir que todos os trabalhadores do setor público sejam vacinados contra o Sars-CoV-2.

Além disso, o uso de máscara vai voltar a ser obrigatório nos transportes públicos a partir da próxima semana. Estas medidas surgem numa altura em que a Hungria tem tocado máximos de infeção que não eram atingidos desde abril deste ano e que tem 59% da população com a vacinação completa.

Recorde-se que também Itália passou a exigir a apresentação de certificado digital Covid a todos os trabalhadores do setor público e privado. A medida entrou em vigor a 15 de outubro e tem gerado protestos.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Hungria vai exigir vacinação contra a Covid a trabalhadores do setor público

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião