É um profissional confiante? Seis dicas para desenvolver essa característica

A confiança afeta a forma como um profissional comunica, como se apresenta no trabalho e também como os outros o percecionam. Conheça as dicas da Adecco para trabalhá-la.

A confiança é uma qualidade poderosa. Afeta a forma como um profissional comunica, se apresenta no trabalho e também como os outros o percecionam. Em apresentações, reuniões com colegas e clientes ou entrevistas de emprego, por exemplo, estar confiante pode ajudá-lo a alcançar os seus objetivos de carreira. A boa notícia é que, se este não é um traço natural da sua personalidade, há técnicas que o podem ajudar a desenvolver e a melhor projetar a sua confiança.

“É necessário trabalhar para que (a confiança) floresça. A boa notícia é que soar mais confiante no trabalho é mais fácil do que se pensa”, diz a Adecco Portugal, em comunicado.

Estas são as seis dicas da empresa especializada em recrutamento para trabalhar no sentido de enfrentar eventuais medos e inseguranças, e ser um profissional confiante:

1. Fale mais devagar

Sabia que o ritmo a que fala pode ter um grande impacto na disposição de outras pessoas para o ouvirem? “Independentemente de a sua comunicação ser relevante e importante, a forma como o diz pode afetar a forma como os outros o interpretam ou lhe atribuem credibilidade”, alerta a Adecco Portugal.

Se falar mais devagar e escolher cuidadosamente as suas palavras, o que está a dizer parecerá mais importante e elaborado. Terá também tempo para pensar no que está a dizer. Por isso, se tiver tendência para falar rapidamente, abrande um pouco e fale com propósito, sugere a empresa de RH.

2. Escolha cuidadosamente as suas palavras

E, se falar mais devagar, vai também conseguir pensar e escolher com maior cuidado as suas palavras. “As palavras que utiliza terão um grande impacto na mensagem que está a tentar transmitir. Evite o uso de muletas de linguagem que tornam a comunicação menos assertiva. Evite expressões como: ‘Por vezes’, ‘Provavelmente’, ‘Normalmente’, ‘Poderia ser’, ‘Eu penso que’… e congéneres”, aconselha.

Tente manter as frases e declarações curtas e diretas e, sempre que possível, alicerçadas em convicções que demonstrem análise prévia ou factos. Evite divagações.

3. Mantenha uma linguagem corporal positiva

Além da linguagem oral, deve também ter em consideração a sua linguagem corporal, que pode comunicar muito sobre si aos outros. A dica da Adecco é falar com as mãos, algo que “pode ajudá-lo a comunicar entusiasmo sobre um tópico”, ao passo que “tocar constantemente no seu rosto ou cabelo, ajustar a sua roupa e mexer na sua cadeira pode ser uma distração e comunicar falta de confiança da sua parte”.

Faça um esforço consciente para se sentar direito, manter a cabeça erguida e minimizar os movimentos do corpo. “A manutenção de uma linguagem corporal positiva pode ser um desafio. Pode ser necessária alguma prática, pois pode até nem se aperceber que está a mexer-se. Peça a um colega de confiança que avalie a sua linguagem corporal para encontrar formas de a melhorar”, sugere.

4. Assuma a responsabilidade pelas suas ações

Entenda que o erro e o falhanço são normais, e fazem parte do percurso de todas as pessoas. O mais importante é tirar lições desses mesmos erros, fazendo deles uma fonte de aprendizagem. Além disso, é importante assumir o erro, “evite culpar os outros, queixar-se e não leve as coisas a peito”.

“Assumir as culpas quando há um deslize pessoal mostra, além de inteligência e confiança, uma postura de honestidade que os colegas reconhecem positivamente. Não só ganha o respeito dos seus pares e líderes, como irá experimentar interiormente o sentimento de confiança. Assumir a responsabilidade pelas suas ações e trabalhar numa solução para corrigir um erro, também o ajudará a provar a si próprio que é capaz de lidar com qualquer situação. Isto dar-lhe-á confiança em si próprio”, diz a Adecco Portugal.

5. Pare de pensar demasiado

Muitas pessoas pensam demais porque olham para todos os possíveis resultados negativos de uma decisão, e não para os resultados positivos ou prováveis. Este é um fator, segundo a empresa de recrutamento, de grande ansiedade e que pode mesmo comprometer a saúde mental de uma pessoa.

Lembre-se, por isso, de que tem as competências, experiência e formação necessárias para desempenhar o trabalho que lhe foi destinado. “Quando pensa demais e começa a evocar os cenários negativos que podem advir das suas decisões, não só está a afetar o seu nível de autoconfiança, como isso se projeta nos colegas de trabalho. (…) Concentre-se nos resultados positivos, esteja atento quando estiver a pensar demais, tome uma decisão e siga em frente.”

6. Seja você mesmo

A chave de ouro: seja você mesmo. A autenticidade projeta confiança no ambiente de trabalho. Por isso, “relaxe, seja e aceite quem é pessoalmente e como profissional”. “Terá mais confiança nas suas capacidades e outros terão confiança em si também. As ‘máscaras’ nunca são uma boa opção, pois desgastam muito e também colocam em risco a sua saúde mental”, finaliza a Adecco Portugal.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

É um profissional confiante? Seis dicas para desenvolver essa característica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião