Vêm aí novas regras para os testes e isolamento

Governo mexeu nas regras que definem a necessidade de apresentar teste negativo e de isolamento. Veja o que muda a partir de 10 de janeiro.

A partir de 10 de janeiro há novas normas no que toca à situação pandémica. A Ómicron continua a avançar, mas o Governo decidiu aliviar as regras relativamente à necessidade apresentação de testes ao novo coronavírus e ficar em isolamento. Haverá mudanças para as crianças nas escolas e para quem já recebeu a dose de reforço da vacina. Afinal, em que situações é preciso ter um teste negativo ou ficar isolado?

A partir da próxima semana, quem já recebeu a terceira dose da vacina contra a Covid há mais de 14 dias passa a estar isento de testagem, anunciou o primeiro-ministro esta quinta-feira, em conferência de imprensa após a reunião de Conselho de Ministros. Apresentar um teste negativo deixa, assim, de ser preciso no acesso a locais e atividades que ainda estão sujeitos a essa obrigatoriedade. “Esta medida é um incentivo para que as pessoas que já estão em condições de ter a dose de reforço, procedam à vacinação para não terem a necessidade de fazer teste”, disse António Costa.

Além disso, as novas normas da Direção-Geral de Saúde (DGS) definiram que as pessoas que já tenham a dose de reforço ficam igualmente isentas isolamento. “Com esta medida, desde ontem [quarta-feira], cerca de 276 mil pessoas que estavam em situação de isolamento viram-no terminado ou reduzido, fruto da aplicação desta nova norma”, disse o primeiro-ministro.

Ainda no que toca ao isolamento por contacto com pessoa infetada, este passa a ser obrigatório apenas para quem esteja positivo à Covid ou no caso de coabitantes. Por exemplo, se o pai está infetado, a pessoa deve ficar isolada, mesmo que teste negativo. Mas se o colega de trabalho está infetado, a pessoa só deve ficar isolada se o seu teste der positivo.

Esta medida dita, assim, o fim do isolamento nas turmas. Crianças que estiveram em contacto com colegas de turma infetados deixam, assim, de precisar de ficar em isolamento. A não ser, claro, que realizem um teste e o resultado seja positivo. Só são considerados contactos de alto risco as crianças que vivam na mesma casa que alguém infetado, precisando, assim, de ficar isoladas.

Em que situações continua a ser obrigatório teste ou certificado?

Com todas estas mudanças, importa relembrar que continua a ser obrigatório apresentar um teste com resultado negativo (salvo se tomou a dose de reforço há 14 dias) no acesso a discotecas, grandes eventos e eventos sem lugares marcados, recintos desportivos, na visita a lares de idosos e a pacientes internados em estabelecimentos de saúde. Para viajar para Portugal é também preciso apresentar teste negativo, mesmo tendo a vacinação completa.

Além disso, mantém-se a obrigatoriedade de apresentar o certificado digital (teste negativo, certificado de recuperação ou vacinação completa) no acesso a restaurantes, estabelecimentos turísticos e alojamento local, espetáculos culturais, eventos com lugares marcados e ginásios.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Vêm aí novas regras para os testes e isolamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião