Câmaras de Miranda do Douro e Mogadouro exigem cobrança de impostos pela venda de barragens

  • ECO
  • 27 Janeiro 2022

A Câmara de Miranda do Douro já requereu ao Fisco a cobrança de vários impostos, nomeadamente do IMI, sendo que a autarquia de Mogadouro já sinalizou que vai seguir-lhe o exemplo. 

As Câmaras Municipais de Miranda do Douro e Mogadouro vão avançar para a cobrança de impostos relacionados com a venda de barragens do grupo EDP ao consórcio francês integrado pela Engie, avança o Jornal de Notícias (acesso pago).

Em causa está a cobrança do imposto municipal de imóveis (IMI), imposto do selo e IMT, que ascendem a milhões de euros ainda que o valor exato esteja por calcular, segundo o mesmo jornal. A Câmara de Miranda do Douro já requereu ao Fisco a cobrança de vários impostos, nomeadamente do IMI, sendo que a autarquia de Mogadouro já sinalizou que vai seguir-lhe o exemplo.

Só do Imposto do Selo sobre a transação são 110 milhões de euros e as duas barragens de Miranda do Douro estão avaliadas em cerca de 700 milhões. A autarquia exige ainda a cobrança do IMT, do Imposto do Selo e da derrama.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Câmaras de Miranda do Douro e Mogadouro exigem cobrança de impostos pela venda de barragens

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião