Comissão Europeia agradece ao Japão partilha de gás natural face à escassez

  • Lusa
  • 15 Fevereiro 2022

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, agradeceu ao primeiro-ministro japonês, Kishida Fumio, a partilha de gás natural liquefeito com a Europa face à escassez existente.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, agradeceu ao primeiro-ministro japonês, Kishida Fumio, a partilha de gás natural liquefeito (GNL) com a Europa face a situação de escassez causada pelas tensões geopolíticas russas na Ucrânia.

“A presidente Von der Leyen, abordando as preocupações sobre a escassez de gás natural na Europa, expressou o seu apreço pelo desvio de carregamentos de GNL para a Europa decidido pelo Governo do Japão”, informou o executivo comunitário em comunicado divulgado após uma chamada telefónica realizada hoje de manhã entre os dois responsáveis.

Segundo Bruxelas, Tóquio “decidiu partilhar o excedente de GNL com a Europa para mostrar solidariedade com aliados e parceiros que partilham os mesmos valores”, em altura de intensas tensões geopolíticas na Ucrânia devido às manobras russas e também de uma acentuada crise energética. “Os dois líderes confirmaram que continuariam a cooperar para garantir a segurança energética”, nomeadamente da União Europeia (UE), refere a nota.

Relativamente às manobras russas na fronteira ucraniana, Ursula Von der Leyen e Kishida Fumio “partilharam o ponto de vista de prestar muita atenção à situação na Ucrânia, confirmando ao mesmo tempo um apoio consistente à soberania e integridade territorial da Ucrânia”.

Além disso, “continuarão a trabalhar em estreita coordenação para promover a redução das tensões”, dá ainda conta o comunicado do executivo comunitário.

Com o objetivo de reduzir a dependência energética da Rússia, principal fornecedor europeu, a UE disse estar a procurar alternativas para a compra de gás. A UE está, por isso, a trabalhar com os Estados Unidos para uma parceria estratégica energética, de forma a diversificar as fontes de energia (como o gás natural liquefeito).

Bruxelas está ainda em conversações com outros países produtores de gás, como a Noruega, Qatar, Azerbaijão e Egito.

A Rússia (com 41,1%) era em 2019 o principal fornecedor de gás à UE, seguida da Noruega (16,2%), da Argélia (7,6%) e do Qatar (5,2%), segundo os mais recentes dados oficiais, sendo também o principal exportador de combustível sólido para o bloco (46,7%).

A Ucrânia e os países ocidentais acusaram a Rússia de ter enviado pelo menos 100 mil militares para junto da fronteira ucraniana, nos últimos meses, com a intenção de invadir de novo o país vizinho, depois de ter anexado a península ucraniana da Crimeia, em 2014.

A Rússia nega ter intenções bélicas, mas exige garantias para a sua segurança, incluindo uma promessa de que a Ucrânia nunca será membro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO).

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Comissão Europeia agradece ao Japão partilha de gás natural face à escassez

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião