Petróleo toca 112 dólares. EUA e aliados vão libertar 60 milhões de barris de reservas

Os preços do petróleo continuam a subir nos mercados internacionais, perante a escalada da violência na Ucrânia. O barril de Brent chegou muito perto dos 112 dólares, levando a Galp a subir 5%.

O barril de petróleo volta a estar em alta nos mercados internacionais esta quarta-feira. A incerteza provocada pela invasão russa à Ucrânia continua a puxar pelas cotações do Brent e do WTI, que registam subidas de 6% e negoceiam acima dos 110 dólares, tocando em máximos de sete anos.

Em Londres, o contrato de Brent para entrega em maio chegou a negociar a 111,99 dólares nesta sessão. O preço aliviou entretanto, com os futuros a subirem agora 5,15%, para 110,38 dólares o barril.

Cotação do Brent

Do outro lado do Atlântico, os futuros do light sweet para entrega em abril avançam 5,12%, para 108,63 dólares. Mas chegaram a transacionar a 111,47 dólares o barril esta quarta-feira.

A guerra na Ucrânia tem gerado severos constrangimentos no setor energético, alimentando uma subida vertiginosa dos preços do crude nos últimos dias. Desta feira, este domingo, EUA e aliados chegaram a um acordo para libertar 60 milhões de barris de petróleo de reservas estratégicas, na expectativa de pressionar os preços.

A subida do petróleo está a ter respaldo no desempenho da bolsa nacional. A Galp Energia valoriza 5,43%, para 10,78 euros por ação, segurando o PSI-20 em terreno positivo.

No plano internacional, o dia é marcado pelo anúncio da petrolífera Eni de que vai vender a sua posição no gasoduto que liga Rússia e Turquia, bem como a decisão da Exxon Mobil de desinvestir na Rússia, face à guerra promovida pelo Kremlin na Europa.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Petróleo toca 112 dólares. EUA e aliados vão libertar 60 milhões de barris de reservas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião