Banco polaco do BCP põe mais 100 milhões de lado para o caso “Frankwicse”

Empréstimos hipotecários em moeda estrangeira concedidos na década de 2000 continuam a dar dores de cabeça ao Millennium Bank, controlado pelo BCP.

O banco polaco do BCP informou que vai registar prejuízos no primeiro trimestre do ano, depois de ter provisionado mais 100 milhões de euros para enfrentar os riscos legais relacionados com os empréstimos hipotecários em moeda estrangeira originados pelo Bank Millennium e também pelo Euro Bank, adquirido em 2019.

O Bank Millennium, controlado em 50,1% pelo BCP, explica que reforçou as provisões por causa das tendências negativas nas decisões judiciais, ao mesmo tempo que têm dado entrada de novos processos judiciais e o próprio banco tem feito alterações na metodologia de avaliação de risco.

Por causa das contingências relacionadas com este caso conhecido como “Francowicze”, o banco já tinha colocado de lado 560 milhões de euros.

Na década de 2000, os polacos contraíram empréstimos em francos suíços para beneficiarem de um zloty forte e de taxas de juro baixas na Suíça. Entretanto, com a crise, a moeda helvética disparou no mercado cambial, agravando o valor das dívidas das famílias para níveis impagáveis. Muitas foram para tribunal nos últimos anos para contestar estas dívidas.

O banco polaco apresenta as contas trimestrais no dia 26 de abril.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Banco polaco do BCP põe mais 100 milhões de lado para o caso “Frankwicse”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião