IP preocupada com impacto da guerra nas obras previstas

  • ECO
  • 2 Maio 2022

Dado o "elevado nível de investimento" previsto até 2024, a Infraestruturas de Portugal receia as consequências do novo cenário geopolítico no fornecimento e custo de materiais de construção.

A Infraestruturas de Portugal (IP) assume estar preocupada com as consequências que a guerra na Ucrânia terá ao nível do fornecimento de materiais de construção e do seu respetivo custo, numa altura em que a empresa tem um “elevado nível de investimento previsto para o período 2022-2024”, noticia o Jornal de Negócios (acesso pago), citando o relatório e contas de 2021 da IP.

A empresa pública, que para além do programa Ferrovia 2020 tem investimentos previstos no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e do Plano Nacional de Investimentos (PNI) 2030, poderá deparar-se com preços elevados, por exemplo, do aço e do alumínio, que já após o início da guerra tinham aumentado 47,5% e 58%, respetivamente, de acordo a Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI).

Só este ano, a IP prevê uma execução financeira de cerca de 380 milhões de euros, devido, sobretudo, ao programa Ferrovia 2020. Este valor é superior à execução financeira de 2021, de cerca 196 milhões de euros, que por sua vez representou uma subida de 43% face a 2020.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

IP preocupada com impacto da guerra nas obras previstas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião