Galp multiplica lucros por seis para 155 milhões à boleia da alta do petróleo

Negócio de extração de petróleo duplicou resultados para 800 milhões de euros no primeiro trimestre, com mais produção de barris e "melhoria das condições de trading".

A Galp GALP 0,00% multiplicou os lucros por seis vezes para 155 milhões de euros no primeiro trimestre do ano, um resultado que foi alimentado também pela subida do preço do petróleo, que fez com que o negócio de extração tivesse um excelente desempenho.

O EBITDA da área de upstream foi de 803 milhões de euros, o dobro do que teve há um ano, “refletindo o aumento da produção e das realizações de petróleo e gás, suportado pela melhoria das condições de trading de petróleo e novos contratos de gás”, explicou a petrolífera portuguesa. A Galp está a apontar para um resultado no upstream de 2,2 mil milhões em 2022.

As outras áreas de negócio tiveram resultados que não foram extraordinários. O negócio comercial (que inclui a venda de combustível nas bombas) registou um EBITDA de 56 milhões de euros nos três primeiros meses do ano, o que representou uma descida de 19% face ao período homólogo. As vendas de produtos de petróleo e de gás aumentaram 25% e 13%, respetivamente, mas o resultado desceu devido à pressão dos preços nas atividades de gás e energia. “Adicionalmente, a partir deste trimestre, o segmento Comercial inclui a realocação das plataformas de crescimento da divisão de novos negócios (soluções descentralizadas de gestão de energia e mobilidade)”, adiantou a Galp.

Na refinação & midstream, o resultado situou-se nos dois milhões de euros, melhorando face aos prejuízos de seis milhões de há um ano, com a Galp a falar num impacto negativo de 90 milhões de euros do “lag nas fórmulas de preços para os produtos petrolíferos”, que ofuscou o bom desempenho na Refinação.

Já a área das renováveis e novos negócios registou um prejuízo de um milhão.

Juntando todos os negócios, a Galp registou vendas de 5,66 mil milhões de euros no primeiro trimestre, uma subida de 70% comparado com o mesmo período de 2021, enquanto o custo dos bens vendidos aumentou 79% para 4,3 mil milhões.

O EBITDA aumentou da companhia petrolífera subiu 74% para 869 milhões de euros, devido “ao forte desempenho no upstream, apoiado pelo aumento dos preços do petróleo, e desempenho da refinação, na sequência do ambiente internacional favorável para a refinação”.

A Galp fechou o primeiro trimestre com uma dívida líquida de 2,4 mil milhões de euros, mais 35% em relação ao período de 2021. O investimento do grupo liderado por Andy Brown foi de 122 milhões de euros.

(Notícia atualizada com mais informações)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Galp multiplica lucros por seis para 155 milhões à boleia da alta do petróleo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião