Frente Comum espera milhares de trabalhadores em Lisboa para “mostrar ao Governo que isto não é caminho”

Funcionários públicos vão à rua reivindicar aumentos salariais. Trabalhadores vêm de vários pontos do país e são esperadas algumas perturbações nos serviços públicos.

Os trabalhadores da Função Pública vão às ruas esta sexta-feira para “mostrar ao Governo que isto não é caminho”, explica o coordenador da Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública, Sebastião Santana, ao ECO. A estrutura sindical que representa os funcionários públicos espera uma adesão na ordem dos milhares de trabalhadores e admite que podem existir perturbações nos serviços públicos.

“Esperamos milhares de trabalhadores em Lisboa amanhã para mostrar ao Governo que isto não é caminho”, aponta Sebastião Santana. O coordenador sindical indica que vêm trabalhadores “de todo o país” para a capital, sendo que para permitir esta participação foram emitidos alguns pré-avisos de greve.

Com estas greves a acontecer em alguns pontos do país, “para permitir que trabalhadores venham, de Faro a Braga”, o responsável admite que é “expectável que haja perturbações em alguns serviços públicos, como escolas”.

A manifestação será nacional, contando assim com trabalhadores públicos de várias cidades a juntarem-se no Marquês de Pombal às 14h30 para “marchar” até à Assembleia da República. Uma das principais reivindicações prende-se com o aumento de salários, explica Sebastião Santana, apontando que o que está previsto no Orçamento do Estado é “a perda de poder de compra”. É assim exigido um aumento de 90 euros para todos.

É de recordar que os funcionários públicos tiveram um aumento de 0,9% este ano, valor que foi definido a partir do valor da inflação comunicado a 30 de novembro do ano passado. O valor final deste indicador para 2021 acabou por ser de 1,3%, e nos últimos meses a inflação tem vindo a acelerar. Os sindicatos que representam estes trabalhadores têm vindo a reivindicar um aumento intercalar, mas o ministro das Finanças já afastou essa hipótese.

Além disso, os trabalhadores vão também manifestar-se pela “correção da tabela remuneratória única, que a ficar como está mantém trabalhador com 30 anos de serviço a ganhar o mesmo que quem entra hoje, as questões do SIADAP, que deve ser revogado e ser substituído por outro, a valorização das carreiras e o reforço dos serviços públicos”.

Nesta manifestação vão participar todos os 30 sindicatos da Frente Comum bem como a Associação Sindical dos Profissionais da Policia, a Associação dos Profissionais da Guarda, delegações de sargentos e oficiais das Forças Armadas, adianta Sebastião Santana.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Frente Comum espera milhares de trabalhadores em Lisboa para “mostrar ao Governo que isto não é caminho”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião