Coface vê risco político a piorar e efeitos da guerra a prolongarem-se 2023 em diante

  • ECO Seguros
  • 22 Maio 2022

Seguradora de crédito reuniu uma centena de empresários e especialistas de risco em Lisboa. Com volatilidade e incerteza no horizonte, empresas devem proteger-se contra risco de incumprimentos, avisa.

Bruno Fernandes, Head of Macroeconomics da Coface: “Nenhuma região escapará incólume às consequências económicas do conflito.”

A Coface reviu em alta a estimativa sobre as implicações do conflito para a economia global em cerca de um ponto percentual até 2022. No entanto, as consequências do conflito (na Ucrânia) “tornar-se-ão mais evidentes a partir do segundo semestre do ano e materializar-se-ão ainda mais de 2023 em diante”.

Referência internacional em seguro de crédito e exportação, a empresa reuniu cerca de 100 empresários, em Lisboa, na sua habitual Conferência Risco País, um evento onde especialistas em análise económica e risco país partilharam as suas opiniões sobre a situação económica atual, “na perspetiva de criar estratégias internacionais que proporcionem às empresas novas oportunidades no estrangeiro, ao mesmo tempo que se protegem contra possíveis situações de incumprimento“.

O risco político, que tinha aumentado significativamente a nível mundial com a pandemia, “é acrescido pelo aumento dos preços dos alimentos e da energia”. O papel significativo da Rússia e da Ucrânia na produção de bens básicos, juntamente com os receios de dificuldades de abastecimento, desencadearam aumento de preços que levaram a queda dos rendimentos disponíveis das famílias e, consequentemente, do consumo, afirma a seguradora.

Bruno Fernandes, Head of Macroeconomics da Coface, salienta: “Nenhuma região escapará incólume às consequências económicas do conflito, e após os sucessivos choques de 2020, a perceção da Coface permanece a mesma: o mundo mudou e nada voltará a ser o mesmo. Para além das economias da Europa Central e Oriental, que têm importantes laços económicos com a Rússia, os países da Europa Ocidental são os mais expostos devido à sua forte dependência dos combustíveis fósseis russos. A Alemanha e a Itália são suscetíveis de ser afetadas pela sua dependência do gás russo. No resto da Europa o impacto deverá ser mais fraco, mas ainda significativo”.

Neste contexto, “a volatilidade e a incerteza serão fatores importantes nas decisões de investimento das empresas, cuja situação financeira se deteriorará significativamente se os custos de produção permanecerem elevados ou continuarem a aumentar”. Do outro lado do Atlântico, o impacto no crescimento “deve ser reduzido, dada a sua limitada exposição comercial e financeira à Rússia e à Ucrânia”, acrescenta a Coface.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Coface vê risco político a piorar e efeitos da guerra a prolongarem-se 2023 em diante

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião