Cavaco dramatiza aplicação “inteligente” dos fundos europeus

Ex-Presidente avisa que verbas comunitárias devem ser aplicadas “de forma inteligente e criar mais valor acrescentado”, criticando ainda a “degradação” do SNS que devia ser alvo de “reestruturação".

Cavaco Silva declarou esta terça-feira que o programa europeu de reconstrução económica aprovado na sequência da pandemia de Covid-19 recorda “o muito que o país tem beneficiado dos fundos europeus, mas devia alertar também para a necessidade de os aplicarmos de forma inteligente e de criar mais valor acrescentado em Portugal”.

Durante uma intervenção nas Conferências de Fafe, com o tema “A democracia portuguesa a caminho de meio século”, o antigo presidente da República reforçou a importância dos “muitos milhares de milhões de euros” que, “como nunca antes”, o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) está a injetar na economia.

“É difícil imaginar a gravidade da crise económica, financeira e social em que estaria Portugal na sequência da pandemia, se não pertencesse à União Europeia e à Zona Euro, sem acesso ao Banco Central Europeu” (BCE), sublinhou, particularizando que a política do BCE “se tem traduzido em benefícios de dimensão gigante para Portugal”, incluindo ao nível das baixas taxas de juros e no financiamento de “parte significativa dos défices do Orçamento do Estado”.

Recuando à primeira década deste século, o antigo chefe de Estado apontou o dedo aos “erros de política económica” cometidos pelos Executivos de José Sócrates que fizeram com o que o país não tivesse tirado partido pleno da adesão à Zona Euro. Elencando as “três orientações básicas” que disse não terem sido respeitadas: evitar grandes desequilíbrios nas contas externas, apostar no reforço da competitividade externa da economia e respeitar as regras da disciplina orçamental fixadas a nível europeu.

“Em 2011, Portugal chegou a uma situação de emergência financeira. (…) Corrigidos os erros [depois da intervenção da troika], os benefícios da participação na Zona Euro mostraram-se particularmente evidentes com a chegada da pandemia. Os portugueses têm toda a razão para se congratularem mil vezes por Portugal pertencer à União Europeia e ao seu núcleo duro da Zona Euro”, acrescentou.

Nos anos mais recentes verificou-se uma degradação dos serviços prestados aos utentes no SNS, fazendo emergir como grande prioridade a sua reestruturação.

Aníbal Cavaco Silva

Ex-Presidente da República

Numa altura em que o Governo está sob pressão por causa dos problemas nos serviços de urgência, com Marta Temido a ser criticada pelos médicos, Cavaco Silva referiu que “nos anos mais recentes verificou-se uma degradação dos serviços prestados aos utentes no SNS, fazendo emergir como grande prioridade a sua reestruturação”.

A política educativa também mereceu uma crítica do antigo primeiro-ministro e Presidente da República. Durante esta iniciativa realizada no Teatro Cinema de Fafe, moderada por Marques Mendes, lamentou que a escola pública esteja a “revelar dificuldades em atrair professores e a sua qualidade [esteja] a ser posta em causa”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Cavaco dramatiza aplicação “inteligente” dos fundos europeus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião