Gasóleo deve subir quatro cêntimos, gasolina descer dois

Litro de gasóleo simples vai permanecer acima da fasquia dos dois euros e o da gasolina simples 95 descerá para 2,15 euros. Mas valores ainda podem sofrer ajustamentos.

Os preços dos combustíveis voltam a ter um comportamento diferente na próxima semana. Se tem um carro a gasóleo, então não espere por segunda-feira para abastecer porque o preço deverá subir quatro cêntimos, uma subida inferior aos 13 cêntimos desta semana e que levaram o preço médio do gasóleo a ultrapassar, pela primeira vez, a fasquia dos dois euros. Mas se o motor do seu carro é a gasolina, as notícias são positivas, porque o litro deverá descer dois cêntimos, apurou o ECO junto de fonte do setor.

Tendo em conta os valores médios praticados nas bombas esta segunda-feira, isso significa que o litro de gasóleo simples vai permanecer acima da fasquia dos dois euros, ao custar 2,064 cêntimos, e o da gasolina simples 95 descerá para 2,15 euros. Mas estes valores ainda podem sofrer um ajustamento, tendo em conta o fecho das cotações do brent esta sexta-feira e do mercado cambial.

Ainda assim, na próxima semana voltará a haver mudanças decorrentes da fiscalidade, ao contrário do que aconteceu esta semana. O Ministério das Finanças, por causa dos feriados, decidiu não fazer a habitual atualização semanal do ISP, pelo que o preço final não sofreu alterações. Mas o valor do imposto voltará a ser atualizado esta sexta-feira, 17 de junho, através do mecanismo de ajuste que devolve a receita adicional de IVA ditada pelo aumento dos preços dos combustíveis.

Já o desconto do ISP equivalente à redução do IVA para 13% entrou em vigor na primeira segunda-feira de junho com os valores 0,5 cêntimos no caso da gasolina e em 0,3 cêntimos no caso do gasóleo e assim se manterá ao longo do mês, o último em que a medida se aplica. No entanto, o decreto-lei publicado em Diário da República prevê que a medida possa ser prolongada até dezembro.

O agravamento dos preços do gasóleo é um resultado da subida da cotação do petróleo, que se tem mantido sistematicamente acima do 120 dólares por barril, e chegou ao longo da semana a aproximar-se de máximos de três meses. Mas com o aumento das taxas de juro pela Reserva Federal dos Estados Unidos em 0,75 pontos percentuais — o maior aumento desde 1994 — os preços arrefeceram na sequência de uma queda da procura. E o dólar valorizou face ao euro, o que são más notícias para os europeus, já que o mercado cambial também influencia o preço a pagar na bomba.

Para o arrefecimento dos preços contribuiu também um ligeiro aumento da produção nos Estados Unidos, dos stocks de crude nos EUA e dos inventários de combustíveis refinados e claro, as mais recentes preocupações de abrandamento da procura na sequência de novos sinais de possíveis confinamentos na China para travar a evolução da pandemia.

Preços do petróleo mais elevados e previsões económicas revistas em baixa estão a diminuir as perspetivas de procura futuras, disse na quarta-feira a Agência Internacional de Energia. Mas as preocupações persistentes de oferta limitada mantiveram os preços do barril a rondar 120 dólares por barril.

Brent segue em alta

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Gasóleo deve subir quatro cêntimos, gasolina descer dois

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião