Estado ganha 169 milhões com dividendos da Galp

  • ECO
  • 28 Junho 2022

Desde 2017 que a privatização da Galp estagnou, não havendo data para retomar o processo. À conta disso, o Estado já arrecadou um total de 169,1 milhões de euros em dividendos da petrolífera.

Desde 2017 que a privatização da Galp estagnou, com o Estado a manter uma participação de 7,48%, através da Parpública, na petrolífera. Com isso, o Estado já arrecadou 169,1 milhões de euros em dividendos e sem ter tomado qualquer posição sobre os rumos da empresa, noticia o Jornal de Negócios (acesso pago).

Como não ficou com o dinheiro aplicado em obrigações emitidas em 2010, a Parpública tornou-se no segundo maior acionista da energética, depois de ter comprado um total de 885 milhões de euros junto dos investidores, e apenas ultrapassada pela Amorim Energia, do Grupo Américo Amorim (que detém uma participação de 33,34%).

Neste contexto, o Estado continuou a receber dividendos como acionista, tendo arrecadado 169,1 milhões de euros, dos quais: 30.586.696,60 euros em 2017, 35.685.635,62 euros em 2018, 41.814.255,64 euros em 2019, 23.816.282,89 euros em 2020 e 23.816.282,89 euros em 2021, de acordo com a análise dos relatórios de contas da Parpública feita pelo Negócios. Se as ações fossem vendidas hoje, tendo em conta o preço unitário da sessão de ontem (11,46 euros por ação), o Estado arrecadaria 711 milhões de euros.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Estado ganha 169 milhões com dividendos da Galp

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião