Sucesso do euro digital não deve ser tomado como garantido, diz BCE

  • Lusa
  • 28 Junho 2022

Responsável do BCE salienta que aumento de pagamentos digitais evidencia que procura por meios de pagamento se está a adaptar à era digital, e sublinha necessidade de melhorar eficiência e segurança.

O sucesso da moeda digital do banco central não deve ser tomado como garantido, disse esta terça-feira Fabio Panetta, responsável do Banco Central Europeu (BCE), numa intervenção no Fórum BCE, em Sintra.

Num painel sobre moedas digitais dos bancos centrais e o projeto do euro digital, Fabio Panetta, membro do Conselho Executivo do BCE, salientou que os bancos centrais estão simplesmente a responder à evolução das necessidades da sociedade ao trabalharem em projetos de moedas digitais.

“O aumento dos pagamentos digitais mostra que a procura das pessoas por meios de pagamento está a adaptar-se rapidamente à era digital”, disse.

O responsável do BCE assinalou que para um banco central, nomeadamente para o BCE, a razão mais convincente para emitir CBDC (moeda digital do banco central, na sigla em inglês) é garantir que o dinheiro do banco central continua “amplamente acessível na era digital”, preservando o seu papel de âncora.

Fabio Panetta acrescentou que o debate também se centra na necessidade de melhorar a eficiência e a segurança dos pagamentos, garantir a estabilidade financeira, melhorar a inclusão financeira e abordar os riscos da adoção em larga escala de moedas privadas ou estrangeiras.

“Mas mesmo que alcancemos esses objetivos, não podemos dar como certo o sucesso das CBDC”, vincou, acrescentou que, “para ser um sucesso, o CBDC deve responder às necessidades das pessoas nas suas vidas diárias, oferecendo um meio de pagamento digital eficiente, fácil de usar, barato”.

O BCE está atualmente, e desde outubro de 2021, a investigar as possíveis características de um euro digital, estando previsto o fim desta fase do processo em outubro de 2023.

A instituição está nomeadamente a analisar como um euro digital poderia ser concebido e distribuído a retalhistas e ao público, bem como o impacto que teria no mercado e as alterações à legislação europeia eventualmente necessárias.

“Uma vez concluída a fase de investigação, decidiremos se daremos início, ou não, ao desenvolvimento de um euro digital”, explicou na altura o banco central.

O BCE voltou a realizar em Sintra, no distrito de Lisboa, o seu fórum anual, este ano dedicado aos desafios para a política monetária num mundo em rápida mudança.

Após dois anos realizada por meios telemáticos devido à pandemia, a ‘cimeira’ de três dias regressa a Sintra de forma presencial, conforme anos anteriores.

O tema deste ano foi alterado para refletir os recentes desenvolvimentos globais e a ‘cimeira’ está a debater os desafios que a economia da zona euro enfrenta atualmente.

 

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Sucesso do euro digital não deve ser tomado como garantido, diz BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião