Lisboa fecha no verde com grupo EDP a disparar mais de 4%

  • Joana Abrantes Gomes
  • 1 Julho 2022

Apesar da subida da inflação em junho para 8,7%, o principal índice português conseguiu inverter o tom negativo da abertura e registou ganhos ligeiros, impulsionado sobretudo pelas cotadas da EDP.

Embora a maioria das cotadas tenha ficado abaixo da linha de água, o PSI encerrou a sessão desta sexta-feira com ganhos de 0,12%, para 6.051,75 pontos. Contrariando a tendência negativa na abertura da sessão, tendo em conta a revelação do valor da inflação mais elevado desde dezembro de 1992, a família EDP aliviou as fortes perdas registadas pela Galp.

Com apenas seis das 15 cotadas em terreno positivo, foram a EDP Renováveis e a EDP que registaram o maior avanço no primeiro dia de julho: 5,73% e 4,07%, respetivamente. Também na energia, a REN subiu 0,52%, enquanto a Greenvolt ganhou 2,99%.

O grupo Jerónimo Martins, que no início do dia detinha um dos piores desempenhos, acelerou 0,77%, e a Mota Engil avançou 0,49%. A Semapa foi a única cotada que se manteve inalterada.

A impedir maiores ganhos em Lisboa esteve, sobretudo, a Galp Energia. A petrolífera iniciou o mês de julho a ceder 4,69%, para 10,66 euros por ação, logo seguida da Sonae, que desacelerou 2,90%. O Banco Comercial Português (BCP) não conseguiu evitar as perdas da abertura e recuou 1,94%.

No setor do papel, a Altri e a Navigator perderam, respetivamente, 1,51% e 1,33%, enquanto os CTT, a Corticeira Amorim e a Nos tiveram recuos abaixo de 1%.

Além da praça lisboeta, também as suas congéneres de Paris, Frankfurt e Madrid contrariaram a tendência de abertura: enquanto o índice francês CAC-40 subiu 0,04%, o alemão DAX avançou 0,12% e o espanhol IBEX acelerou 0,81%.

Já o índice de referência na Europa, o Stoxx 600, teve perdas de 0,12% e o britânico FTSE 100 recuou 0,18% na primeira sessão do segundo semestre de 2022.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Lisboa fecha no verde com grupo EDP a disparar mais de 4%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião