Portugal pela primeira vez sem diretor-geral desde adesão à UE

  • Lusa
  • 6 Julho 2022

Segundo o secretário de Estado dos Assuntos Europeus, Portugal está sub-representado nas instituições da UE, pelo que defende um "plano de ação nacional" para combater essa sub-representação.

O secretário de Estado dos Assuntos Europeus, Tiago Antunes, disse esta quarta-feira que Portugal está “sub-representado” nas instituições europeias, não tendo diretor nem subdiretor geral pela primeira vez desde a adesão do país à União Europeia (UE).

“Pela primeira vez desde a adesão de Portugal à União Europeia que não tem nem diretor, nem subdiretor geral. Temos de trabalhar num plano de ação nacional para combater esta sub-representação”, referiu.

O governante disse que “o problema não é tão grave no Parlamento Europeu como é na Comissão e no Conselho Europeu”.

Tiago Antunes, que falava durante um seminário que o Parlamento Europeu está a promover com jornalistas portugueses, relacionado com a situação na Ucrânia, adiantou ter definido como “prioridade muito clara combater o défice de representação dos portugueses nas instituições europeias”.

“É preciso fazer mais formação para quem entra, e ajudar os nossos funcionários que já estão nas instituições a alcançar posições de maior destaque. Em breve vamos conseguir alargar as bolsas que atribuímos para o colégio da Europa, uma porta importante de acesso às instituições”, avançou.

Segundo Tiago Antunes, Portugal está “muito sub-representado na Comissão Europeia, em todas as categorias face ao que seria a quota ideal de funcionários”.

“Há um objetivo claro, que a própria Comissão reconhece, de equilíbrio geográfico que não está a ser cumprido. Há Estados-membros que, de facto, não têm tantos funcionários quanto deveriam ter. Em Portugal, isso verifica-se por ter ocorrido uma leva grande de portugueses que entraram para as instituições europeias após a adesão e essas pessoas já se reformaram ou estão quase a reformar-se. Praticamente não temos pessoas que ocupem posições de mais destaque e relevo”, reforçou.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugal pela primeira vez sem diretor-geral desde adesão à UE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião