Portugueses passam quase 38 anos de vida a trabalhar

Portugal está em 10.º na lista dos países da UE onde as pessoas com idade ativa passam mais anos a trabalhar. Contexto laboral masculino é ainda mais longo.

A duração média esperada de vida de trabalho dos jovens de 15 anos na União Europeia (UE) era de 36 anos no ano passado. Desde 2001 que este número tem vindo a aumentar constantemente, tendo sido travado apenas em 2020 pela Covid-19: de 23 anos em 2002 passou para 35,9 em 2019, e depois para 35,6 em 2020.

No entanto, em 2021, este indicador voltou aos níveis pré-pandémicos. Portugal está na metade dos países da UE onde a população em idade ativa mais anos dedica a trabalhar, estando acima da média europeia, com uma duração média de 37,6 anos, em 2021. A diferença entre géneros, embora se tenha vindo a diluir ao longos dos anos, ainda é considerável: dois anos separam a vida laboral dos homens e das mulheres, revela o Eurostat.

Assim, Portugal ocupa o 10.º lugar entre os países da UE com o contexto laboral mais longo. O primeiro lugar do pódio pertence à Holanda (42,5 anos), seguida da Suécia (42,3 anos) e Dinamarca (40,3 anos). Estes são os únicos países da UE cuja duração média esperada de vida profissional supera os 40 anos.

Em contrapartida, as durações mais baixas foram registadas na Roménia (31,3 anos), em Itália (31,6 anos) e na Grécia (32,9 anos).

Fonte: Eurostat

Analisando a população por género, os homens portugueses têm um contexto laboral mais longo: em 2021, os dados do Eurostat apontam para uma vida laboral com 38,6 anos. Já as mulheres podem passar 36,6 anos da vida a trabalhar.

Os valores são ambos superiores à média registada na União Europeia, que, em 2021, que foi de 38,2 anos e 33,7 anos, respetivamente. Embora a diferença entre géneros ainda seja notória, tem vindo a esbater-se ao longo dos anos — por exemplo, em 2000 os homens trabalhavam mais 7,1 anos do que as mulheres.

No caso dos homens, o contexto laboral mais longo foi registado na Holanda (44,3 anos) e Suécia (43,6 anos), e o mais curto na Bulgária (34,6 anos) e Roménia (35,0 anos). Já para as mulheres, a duração média da vida laboral na UE mais longa foi, também, registada na Suécia (41,0 anos) e nos Países Baixos (40,5 anos), mas as mais curtas em Itália (26,9 anos) e na Roménia (27,4 anos).

Em 2021, esta diferença entre género foi mais pronunciada em Itália (9,1 anos), seguida por Malta (8,4 anos) e pela Roménia (7,6 anos). Já a Estónia (0,1 anos), a Letónia (0,8 anos) e a Finlândia (1,1 anos) registavam as diferenças entre sexos menos acentuadas.

A Lituânia, por sua vez, era o único Estado-membro da UE onde a diferença de género era em sentido oposto, com as mulheres a trabalharem mais 1,3 anos do que os homens.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugueses passam quase 38 anos de vida a trabalhar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião