Lugares anuais: Pedreira e Dragão mais caros, rivais lisboetas mantêm preços

Numa altura em que é dado o pontapé de saída para a nova temporada desportiva, o ECO analisou o preço dos lugares anuais dos primeiros cinco classificados do último campeonato nacional.

O futebol português está de volta para mais uma época, depois de ter dado o pontapé de saída esta sexta-feira, num duelo entre o Benfica e o Arouca. Porém, este retorno surge com um certo amargo de boca, num contexto de grandes dificuldades: a guerra na Ucrânia, a crise energética na Europa e a taxa de inflação galopante são aspetos que influenciam as várias áreas da sociedade, incluindo o desporto-rei.

Poderão estas questões influenciar a carteira dos amantes da bola, especialmente os sócios, no momento de adquirir bilhetes ou, mais especificamente, os lugares anuais no estádio? Que, neste momento, são a melhor opção para assistir o maior número de jogos por um preço mais baixo do que se tivesse que comprar os ingressos semanalmente para ver a sua equipa jogar.

Para responder a isso, o ECO foi analisar se os cinco melhores classificados na temporada passada aumentaram ou mantiveram os preços dos lugares anuais nas últimas épocas.

Inflação não assusta leão e preços mantêm-se

Com o bilhete de época — conhecido pela massa associativa leonina por Gameboxa render cerca de 1,867 milhões de euros, de um total de 8,157 milhões de euros em receitas de bilhética registadas na primeira metade da temporada passada (são os últimos resultados oficiais lançados pelos ditos três grandes), é importante para o clube conseguir manter o interesse dos sócios neste tipo de produto.

Para tal, o emblema de Alvalade decidiu manter os preços praticados na temporada 2019/20, a última época desportiva em que as vendas da Gamebox foram feitas sem quaisquer restrições, antes da pandemia de Covid-19. Em 2020/21, os jogos do campeonato foram realizados à porta fechada e na temporada seguinte só foi permitido aos clubes terem os estádios sem restrições de capacidade a meio de setembro, já a época tinha começado, levando a que os lugares anuais fossem vendidos mais tarde e com um valor monetário mais reduzido.

Repartido por sete zonas do Estádio de Alvalade e com direito a 17 jogos da Primeira Liga, três jogos da fase de grupos da Liga dos Campeões e até dois jogos da Taça da Liga, os preços dos lugares anuais para esta temporada começam nos 186 euros e terminam nos 450 euros. Em relação às crianças, os valores variam entre os 93 euros e os 225 euros.

Para os jovens sub-23, mulheres e pessoas acima dos 65 anos, existem preços especiais que podem ir desde os 150 euros e os 366 euros.

Na temporada passada, os preços da Gamebox foram mais baixos devido às restrições impostas pela DGS até meados de setembro em relação à capacidade máxima dos estádios. Com acesso a um total de 16 jogos (incluindo Liga dos Campeões, Campeonato e Taça da Liga) na época 2021/22, os preços para os adultos fixaram-se entre os 129 e os 312 euros, das crianças nos 63 aos 156 euros e jovens, mulheres e seniores nos 105 e 252 euros, sendo que o clube referiu na altura que o preço unitário por jogo era “idêntico aos praticados na época 2019/2020”.

Depois da tempestade da pandemia, águia “congela” preços

Tal como o seu rival da Segunda Circular, o Benfica também decidiu manter os preços praticados na época 2019/2020, nos dois tipos de pacotes que oferece: Red Pass e Red Pass total.

No caso do Red Pass normal, que engloba a Liga, Taça de Portugal e a fase de grupos da Taça da Liga, os preços começam nos 110 euros e terminam nos 350 euros. Já o Red Pass Total, ao qual acrescem os jogos das competições europeias, terá um valor base de 170 euros e um preço máximo de 460 euros.

Além destas duas ofertas, existe ainda um pacote premium para os sócios encarnados que pode chegar a 1000 euros. O preço inicial está situado nos 400 euros.

Contudo, também no Benfica existem descontos específicos (crianças, jovens, mulheres e pessoas acima dos 65 anos), que no caso Red Pass normal começam nos 105 euros e acabam nos 265 euros. Já no Red Pass Total, os preços variam entre os 165 euros e os 375 euros.

O packs familia começa nos 325 euros e termina nos 515 euros.

Em relação à época anterior, os preços do Red Pass normal variaram entre os 100 e 250 euros, com desconto, situaram-se entre os 70 e os 190 euros. No caso do Red Pass Total, este pacote teve um custo que ia desde os 130 aos 290 euros, sendo que com desconto a variação dos preços descia para os 105 e 240 euros.

Já a versão premium fixou-se entre os 285 e os 705 euros. O pack família variou entre os 230 e os 365 euros. No total, os sócios tinham direito a 13 partidas do Campeonato Nacional, dois jogos da fase de grupos da Liga dos Campeões (caso fossem portadores do Red Pass Total) e um encontro da Taça da Liga.

De referir que no primeiro semestre da época passada, os lugares anuais renderam ao Benfica 1,947 milhões de euros, num total de receita de bilheteira de 11,719 milhões de euros.

Dragão foge à tendência e aumenta preços

Ao contrário de Benfica e Sporting, o clube azul e branco foi o único dos três grandes que aumentou os preços dos lugares anuais em relação à temporada 2019/20.

O lugar anual para este ano contempla 21 jogos (17 do campeonato, 3 da fase de grupos da Liga dos Campeões e 1 da fase de grupos da Taça da Liga), com duas modalidades de opção: com e sem os jogos europeus.

O pacote com apenas os jogos da Liga Bwin e Taça da Liga passou a ter um custo entre os 125 euros (Superior Norte) e os 170 euros (Central Poente/Nascente) esta temporada. Na época 2019/20, os sócios dos dragões desembolsavam entre 110 a 155 euros.

Já o pacote que, além das duas competições citadas ainda incluiu os encontros da Liga dos Campeões, também ficou mais caro, com os preços a oscilarem agora entre os 155 euros (Superior Norte) e os 370 euros (Central Poente/Nascente), ao contrário dos 140 e 335 euros que se pagavam há duas temporadas. Os lugares mais caros estão localizados na designada Box (600 euros) e a tribuna (1000 euros) não sofreram qualquer alteração de valor.

O pack Family Box tem um custo de 300 euros (na Nascente) e inclui jogos do campeonato, a Liga dos Campeões e da Taça da Liga. Na temporada 2019/2020, o valor era de 285 euros.

Os jovens dos 3 aos 25 anos e sócios reformados têm direito a 15% de desconto sobre os preços tabelados.

Feitas as contas, o emblema azul e branco subiu cerca de 13,5% o preço dos bilhetes mais baratos (125 euros) e aumentou cerca de 10,4% o preço dos bilhetes mais caros (370 euros), isto sem incluir os lugares situados na Tribuna e na Box. O Pack família também sofreu uma subida de 5,3% esta temporada.

Na temporada 2021/22 foram disponibilizados inicialmente 10 mil lugares anuais, que incluíram um total de 18 encontros (Liga dos Campeões, Taça da Liga e Campeonato), com os mesmos preços que a época 2019/20 mas com menos jogos para assistir.

Dos três grandes é também o clube que menos encaixou com os lugares anuais no primeiro semestre da época anterior. Este tipo de bilhetes rendeu 1,060 milhões de euros ao FC Porto, num total de 4,194 mil de euros em receitas com a bilheteira.

Lugar na Pedreira está mais caro

O FC Porto não está sozinho na questão dos aumentos de preços, pois alguns quilómetros a Norte, mais propriamente em Braga, o clube da cidade dos Arcebispos também subiu o valor dos seus lugares anuais, comparativamente a 2019/20.

Na presente temporada, os minhotos oferecem seis tipos de lugares anuais que começam nos 25 euros e terminam nos 240 euros, todos com acesso aos jogos da Liga Bwin, da Taça da Liga e Liga Europa. Os preços para para mulheres vão dos 30 euros aos 175 euros, enquanto os sub-14 e estudantes variam entre os 15 e 20 euros.

Os pacotes de família com três pessoas começam nos 95 euros e terminam nos 480 euros, já o pacote família para dois sócios vai dos 75 euros aos 390 euros.

No entanto, tendo em conta os valores deste ano, a oferta mais barata (Sub-14 e estudantes) subiu 20% em relação à temporada 2019/20, passando dos 12,5 euros para os atuais 15 euros. A opção mais cara (lugar anual para uma família de três pessoas nos cativos) custava 350 euros há duas temporadas, menos 37.1% do valor pedido esta época (480 euros).

Em 2021/2022, com uma oferta de 12 jogos do Campeonato, o Sp. Braga dispôs de lugares anuais que iam dos 17,5 euros aos 168 euros. No caso das mulheres, os preços fixaram-se entre os 21 e os 122,5 euros.

Os pacotes de família com três pessoas começaram nos 66,5 euros e terminam nos 336 euros. O pacote família para dois membros foi dos 52,5 euros aos 273 euros. Por fim, os preços para Sub-14 e estudantes variaram entre os 10,5 euros e os 14 euros.

Europa não encareceu assento gilista

Vindo de uma temporada de sonho, que culminou com o apuramento para uma competição europeia, pela primeira na sua história, o Gil Vicente foi o único clube nesta lista que manteve os preços nas três temporadas em análise (2019/20, 2021/22 e 2022/23).

Os preços para ter um lugar no Estádio Cidade de Barcelos e assistir aos jogos da equipa na Liga Bwin variam entre os 25 euros (na bancada nascente), 50 euros (bancada Sul e bancada Poente Interior) e os 170 euros (na bancada Poente Superior). Além disso, ainda existe a opção de adquirir um lugar na tribuna a troco de 500 euros.

Os sócios até aos 16 anos têm direto a um lugar anual gratuito na bancada Nascente.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Lugares anuais: Pedreira e Dragão mais caros, rivais lisboetas mantêm preços

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião