Calçado quer empresários com estudos e a subcontratar mais no estrangeiro até 2030premium

Plano estratégico do calçado dá prioridade à qualificação de industriais e atração de “novos protagonistas e projetos”. Setor olha para sourcing internacional e aposta no “empreendedorismo de marca".

Com pessoas e empresas mais qualificadas, com produtos e processos sustentáveis, com maior flexibilidade e rapidez na resposta; e com uma presença ainda mais ativa nos mercados internacionais. Assim será a indústria portuguesa do calçado em 2030, se forem cumpridos os quatro eixos traçados no novo plano estratégico do setor, desenhado pela associação empresarial (APICCAPS) em parceria com a Universidade Católica, que vai ser apresentado esta terça-feira em Vila Nova de Gaia. Constituído atualmente por 1.500 empresas, responsáveis por 40 mil postos de trabalho, exporta mais de 95% da produção para 172 países.Desde a apresentação do primeiro plano setorial em 1978, o emprego triplicou, a produção quintuplicou e as exportações foram multiplicadas por 13. Neste 7º documento

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos