Chineses da Fosun colocam à venda 5,6% do BCP

Grupo chinês colocou à venda uma posição de até 5,6% do BCP, avaliada em cerca de 240 milhões de euros. Banco liderado por Miguel Maya foi informado que Fosun pretende manter mais de 20%.

O grupo chinês Fosun colocou à venda uma participação de 5,6% do capital do BCP BCP 0,37% , avaliada em cerca de 240 milhões de euros, através de “um processo de accelerated bookbuilding dirigido exclusivamente a investidores institucionais qualificados”, segundo adiantou o banco em comunicado enviado ao mercado.

“O BCP foi informado que a intenção da Fosun é de manter uma participação acima dos 20%, permanecendo como acionista de referência”, adianta fonte oficial do banco liderado Miguel Maya ao ECO.

Com esta venda, a Fosun vai ficar com uma participação de 20,04% do BCP, correspondentes a mais de três mil milhões de ações, mantendo-se como maior acionista do banco português, ainda à frente dos angolanos da Sonangol (19,45%).

O grupo chinês chegou a deter 29,45% do capital do BCP em junho do ano passado e agora percebe-se que vendeu, entretanto, uma posição de cerca de 4% antes de anunciar esta operação.

"O BCP foi informado que a intenção da Fosun é de manter uma participação acima dos 20%, permanecendo como acionista de referência.”

Fonte oficial do BCP

De resto, há muito que se especulava que o grupo chinês poderia começar a desinvestir no mercado português em face o peso da sua dívida de quase 40 mil milhões de euros. Em Portugal, a Fosun detém ainda a Fidelidade, que tem em curso uma oferta pública inicial (IPO) do seu negócio de saúde, a Luz Saúde, num negócio avaliado em mil milhões de euros.

Ao ECO, fonte oficial da Fosun indica que “os investimentos em Portugal, como a Fidelidade, continuarão a ser componentes muito importantes” e que “a venda de ações do BCP é um comportamento de investimento normal e uma operação financeira, e não deve ser interpretada como um sinal de que a Fosun deixou de estar otimista em relação ao mercado português sob quaisquer circunstâncias”.

O BCP fechou a sessão desta segunda-feira nos 0,2875 euros por ação. A Fosun está a vender 846 milhões de títulos, uma posição avaliada em 243,2 milhões de euros.

A Fosun entrou no capital do BCP em 2016, numa das fases mais críticas da reestruturação levada a cabo pelo banco português na última década, depois da crise da dívida soberana ter provocado uma forte instabilidade na banca portuguesa, marcada pelas quedas do BES e do Banif.

Agora, o desinvestimento parcial da Fosun surge numa altura em que os bancos estão a ter bons resultados à boleia da subida das taxas de juro e quando se espera que já tenham atingido o pico. As ações do BCP duplicaram de valor em 2023.

O BCP chegou a setembro com lucros de 650,7 milhões de euros, com o resultado a crescer sete vezes face ao mesmo período do ano passado, à boleia da subida da margem financeira. O bom desempenho permitiu reforçar os rácios de capital para quase 15% (CET1), criando uma almofada de capital importante para a distribuição de dividendos.

O banco já assumiu que poderá pagar até 40% dos lucros no próximo ano. As contas anuais serão apresentadas no dia 26 de fevereiro.

(Notícia atualizada às 18h15)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Chineses da Fosun colocam à venda 5,6% do BCP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião