CCA: “Setor da energia é um dos mercados mais quentes para quem quer investir em Portugal”, diz Domingos Cruz

O managing partner da CCA acredita que esta crise vai funcionar como um acelerador de mudança. A inovação, digitalização e tecnologia deverão ser os princípios orientadores da economia em Portugal.

Domingos Cruz, managing partner da CCA Law Firm, espera que o ano de 2021 seja um ano de recuperação. Para o líder da firma, as áreas de contencioso, reestruturação e insolvência, laboral, aplicação dos fundos europeus e M&A irão crescer durante este ano.

Confiante que o setor tecnológico também tenha grande destaque em 2021, Domingos Cruz prevê que esta crise funcione como um acelerador de mudança. A “inovação, digitalização e tecnologia devem ser os princípios orientadores da economia em Portugal“, segundo o managing partner.

Que setores, tendo em conta o contexto atual, podem ter mais movimento em 2021?

Esperamos todos que o ano de 2021 seja um ano de recuperação (restará saber a que ritmo). E perante este cenário, com tantas novidades legislativas e até regulatórias que se avizinham (veja-se o leilão 5G que certamente dará que falar no próximo ano), prevemos um ano muito ativo em todas as áreas e setores que irão procurar novas estratégias de adaptação e recuperação, bem como aconselhamento jurídico para reverter o afamado 2020. Espera-se o crescimento daquelas áreas que normalmente se tornam mais ocupadas durante períodos de maior instabilidade: Contencioso, Reestruturação e Insolvência, laboral, mas também aplicação dos fundos europeus e M&A.

Também se prevê que o setor tecnológico tenha um grande destaque no próximo ano. Olhando para o futuro, prevemos que esta crise funcione também como um acelerador de mudança, nomeadamente ao nível do aumento do teletrabalho, promovendo os avanços científicos e tecnológicos e fomentando uma nova era digital. A inovação, digitalização e tecnologia devem ser os princípios orientadores da economia em Portugal. Assumindo que alguns ficarão para trás, devemos ser inflexíveis neste movimento, assumindo a “escalabilidade” das nossas empresas tecnológicas.

Domingos Cruz, Managing Partner da CCA, em entrevista ao ECO/Advocatus
Domingos Cruz, managing partner da CCAHugo Amaral/ECO

Que tipo de operações podem vir a acontecer?

Podemos também antecipar que a atividade de M&A continuará relevante. A nível estratégico, as fusões e aquisições podem permitir um rápido reposicionamento com vista ao crescimento, ou permitir desacelerar investimento em empresas que pretendam focar-se apenas no seu core business. As operações de consolidação serão importantes não só como um meio de enfrentar a crise, mas sobretudo para a sobrevivência de empresas dos setores mais afetados pela crise, como o Turismo, a Hotelaria e a Restauração.

Portugal continua a ser apetecível para os investidores?

Não tenho dúvidas que Portugal continuará a ser um país muito atrativo ao investimento estrangeiro. Apesar do cenário de queda da economia, esta pode gerar impactos positivos para quem quer investir em alguns setores, nomeadamente no mercado imobiliário e turismo.

Para além deste, também o setor da energia se apresenta como um dos mercados mais quentes para quem quer investir em Portugal. Até 2040 espera-se que a produção da energia renovável garanta grande parte do consumo elétrico de Portugal. Este crescimento representa uma oportunidade para investimentos nesse setor, não só na produção de energia, mas também no desenvolvimento de produtos e serviços relacionados com a mesma.

"Portugal continuará a ser um país muito atrativo ao investimento estrangeiro. ”

Domingos Cruz

Managing partner da CCA

Por outro lado, o facto de Portugal continuar a ser visto como um pólo tecnológico, um hub de inovação e empreendedorismo, com várias startups de referência, faz com que Business Angels e Fundos de Private Equity/Venture Capital continuem a apostar no mercado nacional.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CCA: “Setor da energia é um dos mercados mais quentes para quem quer investir em Portugal”, diz Domingos Cruz

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião