• Entrevista por:
  • Helena Garrido e Paula Nunes

Conhecer Miguel Poiares Maduro: “o importante é ser sério, e não levar-se muito a sério”

A falta de meritocracia e a pouca importância que damos ao método é o pior de Portugal.

Tem gostos muito variados, que vão desde cozinhar ao cinema e desporto. Miguel Poiares Maduro que chegou ao espaço mediático como ministro de Pedro Passos Coelho é professor em Florença e o melhor de Portugal é, para si, ser a sua casa. O livro que escolhe é a “Divina Comédia” e o filme o “Mundo Perfeito” que, diz, mostra que a redenção é sempre possível. Eis Miguel Poiares Maduro pelos seus gostos e preferências.

O melhor de Portugal, o que é?

É ser a minha casa, a minha identidade, o meu espaço.

E o pior de Portugal?

A falta de meritocracia e, associado a isso, a superficialidade com que tratamos muitos temas e a pouca importância que damos ao método.

Qual é o país que mais admira?

Não tenho um e acho impossível ter apenas um. Um pouco da Noruega, com um pouco dos EUA, com um pouco da Itália e de Portugal.

Qual a personalidade histórica que mais admira?

Um é [Nelson] Mandela. Impressiona-me por, depois de ter passado tantos anos na prisão, ter conseguido fazer um acordo e perdoar às pessoas desse regime. Há outra personalidade que tenho um interesse muito particular que é Lyndon Johnson.

Quem foi a pessoa que mais o marcou profissionalmente?

Dois professores que tive e com quem depois colaborei. Neil Komesar, que é um professor que trabalha sobre análise institucional comparada. E Joseph Weiler, pela forma como incute uma dimensão ética à investigação que faz.

E a sua melhor experiência profissional, foi como ministro?

Se tivesse de optar diria no Tribunal de Justiça da União Europeia.

Qual o acontecimento mais inesperado da sua vida? Ser convidado para ministro?

Não, já tinha sido sondado para uma outra posição, por isso não achei completamente estranho o convite. Eu era jovem quando morreu o meu pai e isso foi a coisa que mais me marcou na minha vida, seguramente. Surpresas positivas, talvez tenha sido quando fui convidado para o Tribunal de Justiça da União Europeia.

O que gosta mais de fazer nos tempos livres?

Gosto muito de cozinhar, de ouvir musica, de fazer desporto. Adoro cinema. Tenho um gosto muito plurifacetado. Sempre procurei ter outras dimensões para além da minha ocupação profissional.

Qual é a qualidade que mais aprecia numa pessoa?

Talvez a honestidade.

E o defeito que mais detesta?

Superficialidade e preconceito.

O seu livro de sonho?

A Divina Comédia, de Dante.

E o seu filme?

O Mundo Perfeito, de Clint Eastwood.

E a música?

A segunda sinfonia de Mahler.

E a obra de arte que mais admira?

A casa na cascata do Frank Lloyd Wright.

Há um incêndio na sua casa. O que é que salva?

Provavelmente o iPad.

O génio de Aladino oferece-lhe três desejos, quais seriam?

Desejaria para o meu país um país mais competitivo, com mais mobilidade social e que soubesse distinguir melhor aquilo que são as virtudes públicas e as virtudes privadas.

O seu lema de vida, tem algum?

Costumo dizer, a brincar, que em Portugal por vezes as pessoas não são muito sérias mas levam-se muito a sério. O importante é ser sério e não levar-se muito a sério.

  • Helena Garrido
  • Paula Nunes
  • Fotojornalista

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conhecer Miguel Poiares Maduro: “o importante é ser sério, e não levar-se muito a sério”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião