• Entrevista por:
  • Helena Garrido e Paula Nunes

Conhecer Miguel Poiares Maduro: “o importante é ser sério, e não levar-se muito a sério”

A falta de meritocracia e a pouca importância que damos ao método é o pior de Portugal.

Tem gostos muito variados, que vão desde cozinhar ao cinema e desporto. Miguel Poiares Maduro que chegou ao espaço mediático como ministro de Pedro Passos Coelho é professor em Florença e o melhor de Portugal é, para si, ser a sua casa. O livro que escolhe é a “Divina Comédia” e o filme o “Mundo Perfeito” que, diz, mostra que a redenção é sempre possível. Eis Miguel Poiares Maduro pelos seus gostos e preferências.

O melhor de Portugal, o que é?

É ser a minha casa, a minha identidade, o meu espaço.

E o pior de Portugal?

A falta de meritocracia e, associado a isso, a superficialidade com que tratamos muitos temas e a pouca importância que damos ao método.

Qual é o país que mais admira?

Não tenho um e acho impossível ter apenas um. Um pouco da Noruega, com um pouco dos EUA, com um pouco da Itália e de Portugal.

Qual a personalidade histórica que mais admira?

Um é [Nelson] Mandela. Impressiona-me por, depois de ter passado tantos anos na prisão, ter conseguido fazer um acordo e perdoar às pessoas desse regime. Há outra personalidade que tenho um interesse muito particular que é Lyndon Johnson.

Quem foi a pessoa que mais o marcou profissionalmente?

Dois professores que tive e com quem depois colaborei. Neil Komesar, que é um professor que trabalha sobre análise institucional comparada. E Joseph Weiler, pela forma como incute uma dimensão ética à investigação que faz.

E a sua melhor experiência profissional, foi como ministro?

Se tivesse de optar diria no Tribunal de Justiça da União Europeia.

Qual o acontecimento mais inesperado da sua vida? Ser convidado para ministro?

Não, já tinha sido sondado para uma outra posição, por isso não achei completamente estranho o convite. Eu era jovem quando morreu o meu pai e isso foi a coisa que mais me marcou na minha vida, seguramente. Surpresas positivas, talvez tenha sido quando fui convidado para o Tribunal de Justiça da União Europeia.

O que gosta mais de fazer nos tempos livres?

Gosto muito de cozinhar, de ouvir musica, de fazer desporto. Adoro cinema. Tenho um gosto muito plurifacetado. Sempre procurei ter outras dimensões para além da minha ocupação profissional.

Qual é a qualidade que mais aprecia numa pessoa?

Talvez a honestidade.

E o defeito que mais detesta?

Superficialidade e preconceito.

O seu livro de sonho?

A Divina Comédia, de Dante.

E o seu filme?

O Mundo Perfeito, de Clint Eastwood.

E a música?

A segunda sinfonia de Mahler.

E a obra de arte que mais admira?

A casa na cascata do Frank Lloyd Wright.

Há um incêndio na sua casa. O que é que salva?

Provavelmente o iPad.

O génio de Aladino oferece-lhe três desejos, quais seriam?

Desejaria para o meu país um país mais competitivo, com mais mobilidade social e que soubesse distinguir melhor aquilo que são as virtudes públicas e as virtudes privadas.

O seu lema de vida, tem algum?

Costumo dizer, a brincar, que em Portugal por vezes as pessoas não são muito sérias mas levam-se muito a sério. O importante é ser sério e não levar-se muito a sério.

  • Helena Garrido
  • Paula Nunes
  • Fotojornalista

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Conhecer Miguel Poiares Maduro: “o importante é ser sério, e não levar-se muito a sério”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião