“Há gente que não teria vindo a Portugal se não fosse pelo alojamento local”

Em entrevista ao ECO, o presidente do grupo Vila Galé, Jorge Rebelo de Almeida, sai em defesa do alojamento local, que tem sido um dos alvos preferidos do setor hoteleiro.

Jorge Rebelo de Almeida é o presidente do segundo maior grupo hoteleiro português. E está irritado com os hoteleiros portugueses. Pelo menos, com os que considera que estão a atacar o alojamento local. Em entrevista ao ECO, Jorge Rebelo de Almeida explica porque é que esta é a estratégia errada: os hotéis têm de diferenciar-se pela positiva. E garante: a explosão do alojamento local foi boa para o país e, sem ela, não seriam possíveis os recordes consecutivos que o setor do turismo tem vindo a registar.

Há uns tempos, numa conferência, o seu filho falava na possibilidade de o grupo Vila Galé avançar para o segmento do alojamento local, com uma marca Vila Galé Residences. Esta é uma possibilidade?

Não. Ao contrário de muita gente, nunca estou contra ninguém. O que eu odeio é o condicionamento industrial. Como nasci na época em que havia condicionamento industrial, em que qualquer um, para ter um negócio, tinha de passar por um processo complicadíssimo para ser autorizado, sou contra tudo isso. Numa sociedade de mercado, se alguém se espalhar e lhe correr mal azar, vai à vida. E alguns vão começar a cair que nem tordos. Começam a achar que o turismo dá para tudo, não fazem contas, gastam dinheiro a mais. Eu ando a tentar comprar umas coisas e não consigo, porque está tudo tão caro. Em Lisboa, não dá. Vamos estar sossegados à espera de melhores dias. Mas os senhores da hotelaria também não têm de se atirar contra o alojamento local. O que temos de fazer é diferenciar-nos pela positiva.

Teríamos o número de turistas que temos hoje só com as camas classificadas? Não tínhamos.

Jorge Rebelo de Almeida

Presidente do grupo Vila Galé

Mas esses apartamentos fazem falta. Há gente que não teria vindo a Portugal se não fosse pelo alojamento local. Irrita-me tanto esta malta hoteleira, e algumas associações, que se põem a atacar fortemente os apartamentos. O negócio do alojamento local trouxe mais riqueza para o país. Foi bom ver uma série de gente que estava desempregada a rentabilizar alguns negócios, no início, de uma forma muito informal, mas que acabou por contribuir para balanço global. Teríamos o número de turistas que temos hoje só com as camas classificadas? Não tínhamos. Há muita gente que vai para o alojamento local não só por motivações económicas, mas pela experiência, para viver uma coisa menos provável do que são os hotéis, que são mais ou menos iguais em todo o mundo. Se for para um apartamento, vai conhecer os vizinhos locais. Foi ótima esta reabilitação urbana, mas tem de haver algum tempero. Quando for à Baixa de Lisboa ou do Porto, não posso ter porta sim porta sim hotéis ou alojamento local.

Faria sentido, então, uma quota para apartamentos de habitação em apartamentos que tenham alojamentos locais, como está a ser discutido?

Não sou defensor das quotas. Temos de fazer pelo contrário: criar atrativos para que as coisas aconteçam.

Para que novos mercados estão a olhar? Os Açores são uma hipótese?

Houve duas oportunidades em que estivemos quase a fechar negócio. Chegámos a apresentar uma proposta para um hotel em São Miguel, que era para ter um casino, mas nunca se proporcionou.

Não me passa pela cabeça comprar um grupo hoteleiro que tivesse muitos hotéis, porque não haveria afinidade.

Jorge Rebelo de Almeida

Presidente do grupo Vila Galé

Não faz sentido agora, numa altura em que a região é a que mais cresce em Portugal?

Há uma coisa que, na Vila Galé, sempre tivemos ao longo destes trinta anos de vida: bom senso e o pé muito bem assente no chão. Não conseguimos dar conta de mais recados, porque depois não absorvemos. Não me passa pela cabeça comprar um grupo hoteleiro que tivesse muitos hotéis, porque não haveria afinidade. Acho preferível irmos fazendo alguns em que vamos inventando umas coisas para lá e ganhando uma certa intimidade e proximidade com aquilo que vamos fazer.

E fora de Portugal, tem outros mercados em vista?

Neste momento, não. Estivemos a pensar seriamente em Cuba, que é um sítio encantador, mas, entretanto, não nos entregaram a exploração. É um sítio encantador, mas tem algumas coisas terríveis, por exemplo, os cubanos não poderem entrar nos hotéis. É uma coisa que não lembra a ninguém, nem no pior país deste mundo.

cropped-jorge-rebelo-almeida2

Qual o balanço da atividade do grupo este ano?

Em Portugal, crescemos em torno de 10% e devemos ultrapassar os 70 milhões de euros em receitas, no conjunto do ano. No Brasil, estamos perto dos 250 milhões de reais, quase tanto como em Portugal. No verão, conseguimos ocupações médias acima dos 90%, ou seja, um crescimento de 4 pontos percentuais face ao ano passado.

Quais as perspetivas da Vila Galé para o próximo ano?

O próximo ano também vai ser cheio em investimento, porque devemos estar a começar o projeto de Touros, no Brasil. Comprámos também uma área condicionada, ainda a aprovar, em Manteigas. Temos muita coisa a acontecer.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Há gente que não teria vindo a Portugal se não fosse pelo alojamento local”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião