“Não podemos assumir do lado do Estado todas as perdas que as empresas têm”premium

O Governo ainda está a negociar com Bruxelas as medidas de apoio às empresas intensivas em gás e espera ter luz verde em três a quatro semanas, revela João Neves, secretário de Estado da Economia.

" Temos de ter um discurso realista sobre as dificuldades, mas não podemos introduzir fatores adicionais de perturbação da atividade económica, isso seria absolutamente catastrófico." É desta forma que o secretário de Estado da Economia, João Neves, descreve a posição atual do Governo. Em entrevista ao ECO, o responsável defende a opção de recurso a empréstimos, revela que ainda está a negociar com Bruxelas as medidas de apoio às empresas intensivas em gás e explica as fontes de financiamento das várias medidas. João Neves recusa que o lançamento da linha de crédito de 600 milhõesde euros, destinada a apoiar a tesouraria das empresas com garantia de Estado, esteja empurrar com a barriga o problema das empresas."Não vale a pena pensar no médio prazo quando a resposta absolutamente

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos